Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
23°
Fair

Economia Exportações da indústria gaúcha fecham 2015 com queda de 9%

Em setembro, as exportações do Rio Grande do Sul totalizaram 2,097 bilhões de dólares (Foto: Banco de Dados)

O ano de 2015 encerrou com queda nas exportações industriais do Rio Grande do Sul. Na comparação com 2014, a indústria de transformação teve uma retração de 9% (vendeu um total de 12,66 bilhões de dólares), o nível mais baixo desde 2006, quando havia somado 10,6 bilhões de dólares.

“A significativa desvalorização da taxa de câmbio ao longo de 2015 (41,6%) não foi suficiente para impulsionar as vendas do segmento, uma vez que os custos de produção, como energia elétrica e combustíveis, avançaram fortemente e prejudicaram a competitividade. Além disso, algumas categorias foram afetadas com a redução dos preços das mercadorias em dólar, sobretudo alimentos, tabaco e químicos”, explicou o presidente da Fiergs (Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul), Heitor José Müller, ao divulgar a balança comercial.

Por sua vez, as exportações totais do Estado, que incluem também commodities, alcançaram 17,52 bilhões de dólares, uma perda de 6,3% em relação ao período anterior. De um total de 24 segmentos da indústria gaúcha que realizaram operações de exportações no ano passado, 19 caíram, quatro cresceram e um se manteve estável.

As principais influências negativas sobre o resultado vieram de produtos alimentícios (-9,5%), coque e derivados de petróleo (-82,5%), tabaco (-15,3%), produtos químicos (-11,1%), máquinas e equipamentos (-20,1%) e couro e calçados (-13,1%). A maior contribuição positiva veio de outros equipamentos de transporte (1.437%).

Tamanho avanço ocorreu devido à contabilização como exportação de uma plataforma de petróleo e gás para a China, em setembro. Celulose e papel também registrou forte crescimento (105,8%), por conta da ampliação da capacidade produtiva da Celulose Riograndense, em Guaíba.

A diminuição nas importações totais foi ainda mais forte em 2015. Chegou a 33%, somando 10,02 bilhões de dólares. Todas as categorias de uso tiveram perdas, incluindo aquelas ligadas ao setor secundário: bens de capital (-27,5%) e bens intermediários (-25,4%). Isso se explica pela fraqueza do nível de atividade da indústria, pela desvalorização da taxa de câmbio e pelo pessimismo dos empresários em relação ao futuro.

Se contabilizado apenas o resultado de dezembro, na relação com o mesmo mês de 2014, a indústria de transformação do Rio Grande do Sul perdeu 16,8% em vendas externas. Produtos alimentícios (-28,3%), máquinas e equipamentos (-27,6%), produtos químicos (-19,1%) e tabaco (-28,7%) apresentaram as maiores contribuições negativas. No mesmo período, as exportações totais foram reduzidas em 17,2%.

Voltar Todas de Economia

Compartilhe esta notícia:

“Homem-aranha” é preso após escalar e assaltar condomínios
Dilma veta destinação de recursos repatriados a Estados e municípios
Deixe seu comentário
Pode te interessar