Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > O FBI apreendeu uma gravação em que Donald Trump discute o pagamento a uma ex-modelo da Playboy

Exposição fotográfica mostra a cara do Carnaval de Porto Alegre

Exposição Fotográfica Faces em Foco do Carnaval de Rua. Foto: Dario Bandeira

 

Com uma exposição de 40 fotos, que está em exibição no Café Cartun (Rua José do Patrocínio, 637) até 21 de abril, Dario Bandeira traz closes de pura felicidade e liberdade do Carnaval de rua de Porto Alegre. ¨Optei por registrar momentos nos quais carnavalescos se encontram em total descontração, expressando o verdadeiro espírito desta festa, que remete a um período anterior a era cristã. O carnaval e o teatro têm origem nas festas pagãs da idade antiga. Contemporaneamente, assume a roupagem de uma verdadeira ópera popular, na qual os atores são protagonistas e, ao mesmo tempo, coadjuvantes¨, conta o fotógrafo.

São retratadas pessoas de todas as classes, gêneros e raças da sociedade brasileira, em especial à comunidade LGBT, que é homenageada na figura de Marielle Franco, com uma foto da vereadora exposta entre as demais.

¨Me pergunto muitas vezes por que fotografar o Carnaval? Minha resposta encontra um sentido forte em duas justificativas. É inegável que de um lado existe a busca por uma felicidade singela, perdida em um canto das minhas memórias afetivas. Por outro lado, o Carnaval sempre me fascinou pela heterogeneidade de gêneros, de culturas e de classes, exibindo a liberdade que permeia todas as relações, possibilitando que instintos aflorem sem nenhuma culpa¨, revela Dario.

O olhar sobre o Carnaval vem desde sua infância. Nascido no bairro Santana, em Porto Alegre, sempre teve contato com esta manifestação popular na cidade. Veranista do litoral gaúcho, desde pequeno se acostumou a ouvir as velhas machinhas de salão nos tradicionais bailes de praia. As duas memórias se fundem para a realização do trabalho atual.

Graduado em História, pela PUC, realizou seu trabalho de conclusão com ênfase na leitura de texto fotográfico em história. A partir daí a arte de registrar momentos ganhou novos significados. O estágio na fototeca do Museu Municipal o levou a redescobrir a fotografia. Foi professor por quase duas décadas, ministrando aulas de filosofia e sociologia, bem como de Educação Artística, com foco na História da Arte. Nos anos 90, fez uma exposição fotográfica sobre o Grande Hotel de Pelotas, mostrando a beleza da arquitetura Neoclássica daquela cidade. Como profissional trabalhou ainda nos jornais Já Cidade Baixa e Utopia, assim como fez freelancer para alguns sindicatos, além de participar como fotógrafo de algumas campanhas eleitorais.

Deixe seu comentário: