Últimas Notícias > Colunistas > Armando Burd > Não podem mais fugir do fundamental

Fernando Haddad disse que se eleito unirá o Brasil por meio do diálogo, “sem revólver na cintura”

Candidato do PT deu declaração ao comentar atos de violência registrados nos últimos dias. (Foto: Ricardo Stuckert)

O candidato do PT à Presidência da República, Fernando Haddad, afirmou nesta quinta-feira (11) que se for eleito pretende unir o País por meio do diálogo, “sem revólver na cintura”.

Haddad deu a declaração ao conceder entrevista ao site Metrópoles, em Brasília. O candidato foi questionado sobre o que pretende fazer para unir um país que, em razão da “polarização” política, está “bastante dividido”.

“Nós aqui precisamos de diálogo! Nós precisamos sentar à mesa com as pessoas, sem revólver na cintura. Somos de ‘um livro na mão e carteira de trabalho na outra’. É outra filosofia para fazer este País se entender. Veja, só com o fato de o Bolsonaro ter passado para o segundo turno a violência no País explodiu”, afirmou.

Desde o último domingo (7), primeiro turno da eleição, uma jovem de Porto Alegre (RS) denunciou ter sido marcada a canivete com uma suástica; um mestre de capoeira na Bahia que se disse eleitor do PT foi assassinado com 12 facadas pelas costas; e uma médica do Rio Grande do Norte rasgou a receita médica de um homem de 72 anos após ele dizer que votou em Haddad.

Na entrevista desta quinta, Haddad disse “são eles que estão fazendo isso”. O candidato, então, foi indagado sobre quem seriam “eles”. Ao que respondeu:

“Já está identificado. Os autores estão identificados. Quem faz uma suástica no corpo de uma mulher a canivete? Quem tem apreço por regimes autoritários? Quem defende tortura no Brasil? Não é que defende numa sala reservada, defende na televisão. Defende na televisão a tortura! Quem defende extermínio de opositores? Ele falou que o problema da ditadura não foi ter matado 30 mil pessoas porque só matou 300! Quem defende o extermínio no Brasil? Vamos falar o português claro!”

Em seguida, Haddad disse ser necessário “deixar claro” que a democracia “está em jogo”.

Apelo aos eleitores

Diante dos casos de violência registrados nos últimos dias, Haddad e Bolsonaro têm feito apelos aos eleitores.

Bolsonaro, por exemplo, afirmou: “Dispensamos voto e qualquer aproximação de quem pratica violência contra eleitores que não votam em mim. A este tipo de gente peço que vote nulo ou na oposição por coerência, e que as autoridades tomem as medidas cabíveis, assim como contra caluniadores que tentam nos prejudicar”.

Haddad, por sua vez, declarou: “Estamos conversando com todas as forças que queiram conter a barbárie, que está em escalada no País. Nós temos que botar um fim nessa violência. É demais o que está acontecendo”.

Deixe seu comentário: