Últimas Notícias > Notícias > Moradores e empresários de dois bairros de Porto Alegre se uniram para recuperar um prédio inteiro da Brigada Militar

Flagrado com mulheres, goleiro Bruno não poderá trabalhar fora da prisão

Bruno pode ser transferido para presídio em Belo Horizonte. (Foto: Reprodução)

Bruno Fernandes das Dores de Souza pode ser transferido de volta para a região de Belo Horizonte (MG). O goleiro está preso em Varginha (MG) desde abril de 2017, quando havia acertado com o Boa Esporte, time local, e se mudado para a cidade com a esposa, mas foi considerado culpado em uma audiência de justificação e teve uma falta grave atribuída, nesta segunda-feira (11). Na decisão, ele perdeu o direito de trabalhar fora da prisão e à progressão ao regime semiaberto até 2023.

Bruno foi condenado em um processo que analisou a denúncia de que ele havia tido um encontro com mulheres e bebidas alcoólicas em um bar da cidade. Apesar do goleiro ter sido absolvido no Processo Administrativo Disciplinar interno do presídio, o juiz Tarciso Moreira de Souza, da 1ª Vara Criminal e de Execuções Penais de Varginha, optou pela reapreciação, em pedido realizado pelo Ministério Público.

No pedido, o MP pediu: reconhecimento da falta grave e negação do pedido de progressão para o semiaberto; “realização de exame criminológico para eventual progressão de pena” para o regime semiaberto, o que não foi necessário; e a transferência de Bruno, visto que ele havia declarado possuir residência na comarca de Belo Horizonte, no que foi atendido.

Denúncia

A denúncia foi feita em uma reportagem que mostrou Bruno na companhia de duas mulheres durante o horário de trabalho externo na Apac. Na mesa em que eles estavam, havia uma lata de cerveja, mas o vídeo não mostra o goleiro ingerindo bebida em nenhum momento. A reportagem também exibiu um diálogo por meio de mensagens em um aplicativo de celular entre o goleiro e as duas mulheres.

No entanto, após o vídeo ser divulgado, a Apac (Associação de Proteção aos Condenados) de Varginha, onde Bruno realizava trabalho externo, negou que o local fosse um bar e afirmou que o espaço é usado normalmente pelos detentos, com conhecimento da associação.

O Processo Administrativo Disciplinar então foi realizado, com depoimentos de funcionários e demais envolvidos na denúncia, e Bruno foi absolvido. No entanto, desde então, a decisão era somente administrativa, cabendo à Justiça “a decisão no âmbito processual jurídico”, como afirmou a Secretaria de Estado de Administração Prisional na ocasião.

Audiência de justificação

Segundo decisão do juiz Tarciso Moreira de Souza, “o simples fato de utilizar aparelho celular, para a finalidade de marcar encontro com pessoa que não faz parte da família, bem como estar, na companhia de pessoas, sejam homens ou mulheres, que não guardam relação com o local em que prestava trabalho externo, estando o reeducando em cumprimento de regime fechado, por si só já configura falta grave”.

O juiz entendeu ainda como falta o fato de Bruno ter não só se comunicado, mas ter contato com pessoas desconhecidas em horário e local sem autorização, assim como o fato de ter aceitado conceder entrevista, também sem autorização, quando abordado no encontro com as mulheres.

Por isso, Bruno foi punido com: perda de 1/6 dos dias remidos (levando em consideração os anteriores à falta); perda do direito de trabalho externo; reconhecimento da falta grave para fins de obtenção de novos benefícios – o que jogou a data para obtenção do direito ao semiaberto para 9 de fevereiro de 2023; pedido de transferência do presídio de Varginha para a comarca de Belo Horizonte. Com a decisão, Bruno segue no presídio de Varginha até que uma vaga seja obtida.

Ex-goleiro do Flamengo, Bruno foi preso em 2010 e condenado pelo homicídio de Eliza Samúdio e por sequestro e cárcere privado do filho deles, Bruninho. As penas impostas a ele somaram 20 anos e 9 meses de prisão.

 

 

Deixe seu comentário: