Últimas Notícias > Colunistas > O caso de Abadiânia

Gastos de brasileiros no exterior recuam 7,3% e são os menores para fevereiro em três anos

Despesas de brasileiros em outros países somaram US$ 1,3 bilhão no mês passado, contra US$ 1,4 bilhão no mesmo período de 2018. (Foto: Divulgação)

Os gastos de brasileiros no exterior somaram US$ 1,302 bilhão em fevereiro deste ano, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (25) pelo BC (Banco Central). Com isso, foi registrada uma queda de 7,33% frente ao mesmo período de 2018, quando as despesas lá fora somaram US$ 1,405 bilhões. Também foi o menor valor, para meses de fevereiro, desde 2016 (US$ 841 milhões), ou seja, em três anos.

Nos dois primeiros meses deste ano, ainda segundo dados oficiais, as despesas de brasileiros em outros países somaram US$ 2,991 bilhões, contra US$ 3,407 bilhões no mesmo período do ano passado. O recuo, nesse caso, foi de 12,21%.

Alta do dólar

A queda dos gastos de brasileiros lá fora aconteceu em um momento de alta do dólar. Em janeiro e fevereiro deste ano, o dólar médio para venda (com base na Ptax, taxa calculada pelo BC) estava em R$ 3,225. No primeiro bimestre de 2019, por sua vez, o câmbio médio somou R$ 3,734.

Com a escalada do dólar, as viagens de brasileiros ao exterior ficam mais caras. Isso porque as passagens e as despesas com hotéis, por exemplo, são cotadas em moeda estrangeira. O papel moeda também fica mais custoso.

“É muito sólida e robusta a relação dessas despesas com a taxa de câmbio. Os custos das viagens ao exterior ficam mais caros [com a alta do dólar]”, avaliou Fernando Rocha, chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central. Além da taxa de câmbio, o nível de atividade, que tem impacto no emprego e na renda do brasileiro, também é outro fator que influencia o nível de gastos no exterior.

Gastos de estrangeiros no Brasil

Em fevereiro deste ano, informou o Banco Central, os estrangeiros gastaram US$ 541 milhões no Brasil, com queda frente ao patamar registrado no mesmo mês de 2018 (US$ 611 milhões). Já nos dois primeiros meses de 2019, informou a instituição, as despesas de estrangeiros no Brasil totalizaram US$ 1,245 bilhão, contra US$ 1,390 bilhão no mesmo período do ano passado.

Para estimular o turismo no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro assinou recentemente um decreto para dispensar o visto de visita para turistas de Estados Unidos, Canadá, Austrália e Japão que viajarem ao Brasil.

Contas externas

A conta de transações correntes registrou um déficit de US$ 7,678 bilhões no primeiro bimestre, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira pelo Banco Central. Com isso, houve pequena melhora nas contas externas frente ao mesmo período de 2018, quando foi registrado um rombo de US$ 8,335 bilhões. O déficit foi 7,88% menor na parcial deste ano.

A conta de transações correntes é formada pela balança comercial (comércio de produtos entre o Brasil e outros países), pelos serviços (adquiridos por brasileiros no exterior) e pelas rendas (remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior). Trata-se de um dos principais indicadores do setor externo brasileiro.

Somente em fevereiro, de acordo com informações oficiais, o rombo nas contas externas somou US$ 1,134 bilhão, contra US$ 2,043 bilhões no mesmo mês do ano passado. O chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, observou que uma economia que cresce mais rápido demanda maior quantidade de insumos importados, tanto de produtos quanto serviços. Com isso, ele não descartou que a melhora nas contas externas esteja relacionada com o ritmo lento de recuperação da economia brasileira.

Deixe seu comentário: