Últimas Notícias > Notícias > Confira a programação de shows com entrada franca durante os nove dias de Expointer

Ignorando o Congresso dos Estados Unidos, Donald Trump decidiu vender armas a aliados árabes para deter o Irã

O governo americano enviará 1,5 mil soldados e sistema de mísseis ao Oriente Médio. (Foto: Joyce N. Boghosian/White House Photo)

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse na sexta-feira (24) que a Casa Branca decidiu levar à frente uma venda bilionária de armamentos a seus aliados Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Jordânia, ignorando o Congresso. Segundo ele, o atraso na transação poderia aumentar o risco para os parceiros dos Estados Unidos em tempos de instabilidade nas relações com o Irã .

“Estas vendas vão apoiar nossos aliados, aumentar a estabilidade no Oriente Médio e ajudar estas nações a deterem e se defenderem da República Islâmica do Irã”, disse Pompeo em nota, afirmando que a decisão de ignorar o Congresso seria um “evento isolado”.

O preço estimado da venda é de US$ 8,1 bilhões. Em fevereiro, o Congresso aprovou uma resolução que impunha o fim do apoio militar dos EUA à coalizão militar liderada pela Arábia Saudita no Iêmen. A decisão dos congressistas foi considerada um desafio à política do presidente Donald Trump para o reino do Golfo, sobretudo após o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, crítico ao regime, no consulado saudita em Istambul.

Mais cedo, a Casa Branca já anunciara que enviará cerca de 1,5 mil soldados adicionais para o Oriente Médio.

“Esta é uma resposta modesta às ameaças iranianas”, disse o secretário interino de Defesa, Patrick Shanahan.

Em comunicado, Shanahan disse que, além das tropas, serão enviados à região um sistema de mísseis Patriot, equipamentos de inteligência e monitoramento, uma aeronave para voos de reconhecimento e um esquadrão de aviões de guerra, para fortalecer as respostas aéreas.

O vice-chefe de relações internacionais do Parlamento russo, Vladimir Dzhabarov, disse à agência RIA que a Rússia poderá contestar o envio das tropas americanas no Conselho de Segurança da ONU.

De acordo com o jornal The New York Times, Trump decidiu enviar os militares após uma reunião com seus conselheiros de segurança nacional. No encontro, a Casa Branca concluiu que um pequeno aumento seria suficiente para lidar com quaisquer ameaças que o Irã ou grupos paramilitares aliados representem para os interesses americanos na região.

Números divulgados pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos mostram que, em março, havia um total de 227.121 soldados e funcionários civis do órgão no exterior. A quantia não leva em conta os soldados presentes no Iraque e no Afeganistão.

Trump foi eleito em 2016 prometendo diminuir a presença militar americana no Oriente Médio. Na quarta-feira (22), a agência de notícias Reuters revelou que o Departamento de Defesa avaliava um pedido de comandantes militares americanos para enviar mais 5 mil soldados para a região.

 

Deixe seu comentário: