Home > Notícias > Brasil > Meirelles confirma que governo estuda usar FGTS para substituir os primeiros meses do seguro-desemprego

Índice que reajusta os aluguéis volta a registrar deflação na segunda prévia de junho

Os dados foram divulgados pela Fundação Getulio Vargas. (Foto: Reprodução)

O IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), conhecido como a inflação do aluguel, registrou, na segunda prévia de junho, variação de -0,61%. No mês anterior, para o mesmo período de coleta, a variação foi de -0,89%.  Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (19) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

O IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo) apresentou variação de -1,16% no segundo decêndio de junho. No mesmo período do mês anterior, a taxa foi de -1,45%. A taxa de variação dos bens finais passou de 0,11% para 0,20%. A maior contribuição para esse movimento teve origem no subgrupo alimentos in natura, cuja taxa passou de -1,20% para 2,72%. A taxa de variação do grupo bens intermediários passou de -0,08%, em maio, para -0,20%, em junho. O destaque coube ao subgrupo combustíveis e lubrificantes para a produção, cuja taxa passou de 0,86% para 0,10%.

O índice referente a matérias-primas brutas registrou variação de -3,98%. No mês anterior, a taxa foi de -4,81%. Os itens que mais contribuíram para esse movimento foram minério de ferro (-16,22% para -13,67%), cana-de-açúcar (-3,87% para -3,12%) e café em grão (-3,92% para -0,78%). Em sentido oposto, destacam-se: bovinos (0,45% para -3,11%), soja em grão (2,76% para 1,63%) e algodão em caroço (-0,31% para -3,45%).

O IPC (Índice de Preços ao Consumidor), que também compõ o cálculo do IGP-M, registrou variação de 0,01% no segundo decêndio de junho, ante 0,23% no mesmo período do mês anterior. Seis das oito classes de despesa componentes do índice registraram decréscimo em suas taxas de variação. A principal contribuição partiu do grupo habitação (0,57% para 0,19%). Nessa classe de despesa, cabe mencionar o item tarifa de eletricidade residencial, cuja taxa passou de 2,77% para 0,08%.

Também apresentaram decréscimo em suas taxas de variação os grupos alimentação (-0,17% para -0,46%), saúde e cuidados pessoais (1,05% para 0,48%), comunicação (0,79% para -0,03%), transportes (-0,15% para -0,17%) e vestuário (0,66% para 0,64%). Nestas classes de despesa, destacam-se os itens: hortaliças e legumes (-1,02% para -5,47%), medicamentos em geral (2,79% para -0,05%), pacotes de telefonia fixa e internet (1,97% para -0,41%), etanol (-2,05% para -3,26%) e roupas (1,02% para 0,55%), respectivamente.

Em contrapartida, apresentaram acréscimo em suas taxas de variação os grupos educação, leitura e recreação (-0,57% para 0,12%) e despesas diversas (0,31% para 0,39%). Nessas classes de despesa, vale mencionar o comportamento dos itens: passagem aérea (-18,19% para 6,76%) e tarifa postal (0,85% para 4,94%).

O INCC (Índice Nacional de Custo da Construção) apresentou, no segundo decêndio de junho, variação de 1,33%. No mês anterior, esse índice não registrou variação. O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços registrou variação de -0,09%, abaixo do resultado de maio, de -0,05%. O índice que representa o custo da mão de obra variou 2,51%. No mês anterior, este índice variou 0,04%.

Comentários