Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > 18º Festival de Cinema Estudantil de Guaíba começa nesta segunda-feira

Inflação para a terceira idade acumula alta de 8,71% em 12 meses

O IPC-3i apresenta taxas superiores ao IPC-BR (Foto: AFP)

A inflação para pessoas com mais de 60 anos, medida pelo IPC-3i (Índice de Preços ao Consumidor da Terceira Idade), ficou em 1,64% no segundo trimestre deste ano. O índice acumula alta de 8,71% em 12 meses, segundo dados divulgados nesta terça-feira (12) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

O IPC-3i apresenta taxas superiores ao IPC-BR (Índice de Preços ao Consumidor-Brasil), que mede a inflação para todas as faixas etárias e registrou variações de 1,39% no segundo trimestre deste ano e de 8,54% em 12 meses. Mesmo assim, o IPC-3i teve uma queda na taxa na passagem do primeiro para o segundo trimestre deste ano, ao recuar de 2,72% para 1,64%. Cinco das oito classes de despesa que compõem o índice acompanharam essa tendência.

A principal contribuição para a queda veio do grupo de despesas alimentação, onde a taxa passou de 5,37% para 1%. Esse recuo foi bastante influenciado pelas hortaliças e legumes, que tiveram uma deflação de 5,01% no segundo trimestre. No primeiro trimestre, esses produtos tinham apresentado uma inflação de 17,38%.

Também contribuíram para a queda da taxa do IPC-3i os grupos de transportes (de 2,87% para -0,20%), educação, leitura e recreação (de 3,63% para -0,96%), habitação (de 1,5% para 1,29%) e comunicação (de 2,01% para 0,38%).

Ao mesmo tempo, três classes de despesas tiveram aumento da taxa entre o primeiro e o segundo trimestres: saúde e cuidados pessoais (de 2,03% para 4,84%), vestuário (de 0,27% para 2,09%) e despesas diversas (de 3,87% para 3,92%). O IPC-3i mede a variação de preços da cesta de consumo de famílias majoritariamente compostas por indivíduos com mais de 60 anos.