Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
24°
Fair

Economia Inflação para as famílias de baixa renda aumenta no País

O IPC-C1 foi divulgado pela FGV

Foto: Divulgação
O IPC-S subiu em cinco das sete capitais pesquisadas pela FGV. (Foto: Divulgação)

O IPC-C1 (Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1) variou 0,56% em novembro, ficando 0,68 ponto percentual acima da taxa registrada em outubro (-0,12%). Com esse resultado, o indicador acumula alta de 3,64% no ano e de 3,98% nos últimos 12 meses.

O IPC-C1 mede a inflação para as famílias com renda de até 2,5 salários mínimos mensais. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (05) pela FGV (Fundação Getulio Vargas).

Nesta apuração, sete das oito classes de despesa componentes do índice registraram acréscimo em suas taxas de variação: Habitação (-0,47% para 0,70%), Alimentação (-0,18% para 0,60%), Despesas Diversas (0,45% para 2,48%), Educação, Leitura e Recreação (0,09% para 0,59%), Vestuário (0,07% para 0,32%), Comunicação (-0,03% para 0,14%) e Transportes (0,14% para 0,19%).

Nessas classes de despesa, vale destacar o comportamento dos itens tarifa de eletricidade residencial (-3,26% para 2,85%), carnes bovinas (1,05% para 7,56%), jogo lotérico (0% para 26,16%), passagem aérea (-4,14% para 15,08%), calçados (-0,24% para 0,45%), pacotes de telefonia fixa e internet (0% para 0,75%) e gasolina (0,86% para 1,11%).

Em contrapartida, o grupo Saúde e Cuidados Pessoais apresentou recuo em sua taxa de variação (0,20% para 0,11%) . Nessa classe de despesa, vale citar o item produtos farmacêuticos (0,73% para 0,35%).

IPC-BR

Já o IPC-BR (Índice de Preços ao Consumidor – Brasil), que mede a inflação para as famílias com renda de até 33 salários mínimos mensais, variou 0,49% em novembro, conforme a FGV.

Voltar Todas de Economia

Compartilhe esta notícia:

Turismo: o Brasil faturou R$ 112 bilhões em 2019
Receita Federal abre na segunda-feira consulta ao último lote do Imposto de Renda
Deixe seu comentário
Pode te interessar