Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Assassinatos no Brasil caem 22% nos oito primeiros meses deste ano

Irmão de José Dirceu completou um ano de cadeia por um crime cometido junto com o ex-ministro, que está solto

Luiz Eduardo era sócio em uma empresa de consultoria do petista. (Foto: EBC)

​​O aposentado Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, 70 anos, completou um ano preso em decorrência de uma sentença no âmbito da Operação Lava-Jato, que o considerou culpado de colaboração em crimes o seu irmão, o ex-ministro José Dirceu, que está em liberdade.

A situação ocorre devido a uma reviravolta jurídica que levou à libertação de Dirceu pelo STF (Supremo Tribunal Federal) em junho do ano passado, sem que outros envolvidos tenham obtido o mesmo benefício. Luiz Eduardo está desde 9 de fevereiro de 2018 na penitenciária de Tremembé (SP), complexo conhecido por abrigar presos conhecidos, como o médico Roger Abdelmassih.

A defesa decidiu não pleitear o mesmo tipo de benefício de Dirceu porque as penas são mais baixas, e o irmão pode ser favorecido mais facilmente em progressão de regime.

Sentença expedida em 2016 pelo então juiz Sergio Moro afirma que Luiz Eduardo tinha papel “subsidiário” no grupo comandado por Dirceu, tido como responsável por desvios em contratos da Petrobras, e o condenou pelos crimes de lavagem e organização criminosa.

Em segunda instância, a pena de Luiz Eduardo foi fixada em dez anos e seis meses de prisão, enquanto a do ex-ministro do governo Lula, condenado ainda por corrupção, foi de de 30 anos e nove meses. Com o esgotamento dos recursos do caso no segundo grau em 2018, Moro mandou prender os condenados ainda em liberdade. Luiz Eduardo teve decreto expedido primeiro. A ordem contra Dirceu saiu em maio.

Ainda naquela época, porém, o ex-ministro petista foi individualmente ao Supremo com uma reclamação para suspender os efeitos de sua condenação. Argumentou, entre outros pontos, que os crimes atribuídos já estariam prescritos, pelo fato de ter mais de 70 anos na época da sentença, e que a dosimetria da pena poderia ser revista em terceiro grau, o STJ (Superior Tribunal de Justiça), onde agora está a ação penal.

O ministro Dias Toffoli, relator responsável pela reclamação no STF, considerou que, ao permanecer preso, Dirceu poderia ser prejudicado com eventual mudança de rumo do caso no STJ e concedeu um habeas corpus, medida respaldada por outros dois juízes da corte na turma: Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

A iniciativa despertou polêmica por ir contra entendimento do plenário do Supremo favorável à prisão de condenados em segunda instância e foi criticada pela procuradora-geral, Raque Dodge. Em documento à Corte, ela afirmou que a libertação do ex-ministro cria insegurança jurídica e a sensação de que, “a qualquer momento, a sociedade pode ser surpreendida com decisões tomadas completamente fora do compasso”.

Luiz Eduardo foi o principal sócio da empresa de consultoria de Dirceu, a JD Assessoria, que recebeu repasses da empreiteira Engevix. A sentença que o condenou considera que os repasses eram simulados com contratos de falsa prestação de serviços com o objetivo de destinar propina com origem na Petrobras.

Dois outros condenados do mesmo processo, Gerson Almada, ex-sócio da empreiteira Engevix, e Fernando Moura, empresário ligado a Dirceu, pleitearam a extensão do benefício, até agora não concedida. Para Luiz Eduardo, o período desde a prisão foi de poucas notícias boas – ele ainda tem uma multa de mais de R$ 376 mil a ser paga.

Pedido

O irmão de Dirceu reivindicou o direito de permanecer detido em Ribeirão Preto (SP), onde morava, mas acabou enviado a Tremembé. Segundo a Justiça, a medida se deu porque Ribeirão não tem vagas adequadas para o cumprimento de pena de presos já condenados. Além disso, em uma segunda ação penal na Lava-Jato, Luiz Eduardo teve outra condenação imposta por Moro confirmada na segunda instância, novamente junto com Dirceu.

A defesa afirma que o irmão do ex-ministro petista não tem renda fixa além da aposentadoria de R$ 2.900 e propôs pagar parcelas de R$ 1.000 mensais. Procurado, o advogado Roberto Podval, que defende os dois irmãos, diz que a defesa entendeu que, como a pena de Luiz Eduardo era menor, seria melhor “ele cumprir de uma vez e sair de uma vez”.

“Pessoalmente era melhor do que ele brigar para sair e daqui a pouco, se tiver que voltar, para depois cumprir o que falta e depois sair de novo. É mais penoso do que cumprir de uma vez. É diferente do cálculo do José Dirceu”, argumenta.