Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > Preso médico que abusou sexualmente da sobrinha após atendimento em uma clínica no Vale do Sinos

Bolsonaro passou por uma cirurgia de emergência

Foto postada por filho de Jair Bolsonaro mostra candidato em poltrona do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, fazendo sinais de armas. (Foto: Reprodução/Twitter/Flavio Bolsonaro)

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, passou por uma cirurgia na noite desta quarta-feira (12), segundo boletim médico do Hospital Albert Einsten, onde o candidato está internado desde sábado (8), após ser vítima de um atentado em Juiz de Fora (MG).

Segundo médicos, o procedimento terminou por volta das 23h40min, foi bem-sucedido e o candidato passa bem.

De acordo com o boletim do hospital, Bolsonaro evoluiu para um quadro de “distensão abdominal progressiva e náuseas” e precisou passar por uma tomografia no abdômen. O exame identificou presença de aderência obstruindo o intestino delgado.

A cirurgia foi chefiada pelo médico Antonio Luiz de Vasconcellos Macedo.

A aderência pode ocorrer quando tecidos fibrosos gerados pelo processo de cicatrização se ligam, levando à obstrução do canal do intestino. O quadro é comum após cirurgias abdominais como a de Bolsonaro. Pessoas que estiveram com o presidenciável nesta quarta afirmaram ao que ele aparentava estar extremamente debilitado.

A aderência foi causada pela inflamação decorrente do trauma, e a inflamação provocou a aderência, dificultando a passagem de alimentos pelo intestino.

Na cirurgia desta quarta, as fístulas foram saturadas e as aderências foram liberadas.

Visita de ministro

Nesta quarta, o candidato recebeu a visita do ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), general Sérgio Etchegoyen. Segundo a assessoria de Etchegoyen, o ministro foi a São Paulo na terça para uma agenda privada e decidiu ver o candidato na manhã desta quarta.

O general não falou com a imprensa. A assessoria do GSI não informou o que foi conversado, mas afirmou que se tratou de uma visita de cortesia. O Palácio do Planalto, porém, confirmou que o ministro levou uma mensagem do presidente Michel Temer (MDB) desejando pronta recuperação.

Na manhã desta quarta, Bolsonaro participaria da série de entrevistas do G1 e da CBN com os presidenciáveis, mas, por causa da internação, ele não pôde comparecer ao estúdio da rádio em São Paulo.

Recuperação

Segundo a cúpula do Hospital Albert Einstein, os principais riscos que serão monitorados são pneumonia (pois o candidato ficou muito tempo em choque e perdeu cerca de 2 litros de sangue) e infecção (por causa do vazamento de massa fecal na cavidade abdominal).

A previsão de internação é de sete a dez dias. A retomada das atividades de campanha só deve ocorrer 20 dias após a data de internação. Depois da alta, o candidato será submetido a outra cirurgia de grande porte para “reconstruir o trânsito intestinal e retirar a bolsa de colostomia”.

A realização da operação já estava prevista para depois que o candidato tiver alta. Segundo médicos, a cirurgia só deve acontecer daqui a dois meses. Nesse meio tempo, Bolsonaro seguirá com a bolsa externa ligada à barriga.

Deixe seu comentário: