Sexta-feira, 06 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
16°
Fair

Brasil Jair Bolsonaro usa a religião para atacar Marina Silva

Candidatos tem protagonizado embates em debates. (Foto: Reprodução)

Na disputa por votos dos evangélicos, Jair Bolsonaro (PSL) segue a estratégia, exposta no debate da Band, de atrelar a candidata da Rede, Marina Silva, a uma agenda “não cristã”. Presidente do PSL e coordenador da campanha do deputado, Gustavo Bebianno chamou a ex-ministra de “cristã fajuta”.

“Ele é um cristão verdadeiro, defendendo os verdadeiros cristãos. Ela (Marina) é uma cristã de araque”, disse o presidente do PSL. “Marina Silva falou que aborto e maconha têm que ser resolvidos via plebiscito. Eu acho que não”, afirmou Bolsonaro, na mesma ocasião.

Além de Marina e Bolsonaro, outros presidenciáveis buscam uma aproximação dos evangélicos. Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB), por exemplo, colocaram as igrejas em suas agendas já na largada da campanha. A receita é conhecida: os postulantes ao Planalto são recebidos por pastores no púlpito, discursam e distribuem brindes para os fiéis.

Na semana passada, Alckmin visitou a Igreja Mundial do Poder de Deus, do apóstolo Valdemiro Santiago, ao lado do candidato tucano ao governo de São Paulo, João Doria. Foram recebidos pelo deputado e candidato à reeleição José Olímpio (DEM-SP), ligado à igreja. “Agora o líder maior abençoou, Deus lá em cima e o apóstolo aqui”, disse Olímpio.

Em outra Assembleia de Deus, a do Ministério Belém, o pastor José Wellington Bezerra da Costa recebeu Meirelles, em julho, para um culto. Disse no púlpito que o emedebista tem “potencial” para ser o próximo presidente. Com a Bíblia na mão, o presidenciável subiu ao púlpito ao lado do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Ronaldo Fonseca, membro da igreja. Ao falar para os fiéis, Fonseca leu dois textos da Bíblia em que há orientações sobre orar pela cidade e pelas autoridades.

“Como líderes, nós temos obrigação de orientar e dizer quem são os candidatos que entendemos ser o melhor para o Brasil”, disse o ministro, acrescentando que não costuma falar de política no púlpito.

Meirelles discursou por dez minutos, e disse ter os mesmos princípios morais dos evangélicos. Pediu oração por ele e pela economia do País. “Com os princípios certos, com a determinação que é trazida pela oração, pela fé, nós vamos construir o Brasil que todos sonhamos”, afirmou o emedebista.

Propaganda irregular

Por subir no púlpito da igreja que sua esposa, Michelle, frequenta, e em plena corrida presidencial, Jair Bolsonaro (PSL) periga ser enquadrado por propaganda irregular.

A lei eleitoral proíbe que candidatos façam campanha em “bens públicos de uso do povo”, e as igrejas se enquadram nessa categoria — assim como estádios, cinemas, paradas de ônibus e lojas, por exemplo.

O presidenciável publicou recentemente, em sua conta no Twitter, um vídeo em que fala ao público da Igreja Batista Atitude, no Rio, a convite do pastor Josué Valandro Jr.

“Bolsonaro, vou deixar você dar uma palavra. Eu nunca faço isso, não, mas vou fazer porque é candidato a presidente. Se vier outro presidente, eu deixo também”, diz o líder evangélico.

O candidato, com microfone na mão, primeiro conta estar “muito emocionado”, parece lacrimejar e, depois de alguns segundos, explica por que concorre ao Palácio do Planalto.

No fim de sua fala, Bolsonaro ainda fala sobre religião e Estado. “Encerrando: o Estado pode ser laico, mas eu sou cristão”, ele afirma nos segundos finais. Bolsonaro se declara católico, mas é próximo do eleitorado evangélico e teve seu casamento com Michelle celebrado pelo pastor Silas Malafaia, em 2013.

Todas de Brasil

Compartilhe esta notícia:

Santa Casa recebe nesta terça-feira (28), às 10h30min, candidato à Presidência da República
Processos sem solução na Justiça atingem 80 milhões em 2017, aponta relatório do Conselho Nacional de Justiça
Deixe seu comentário
Pode te interessar