Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Brasil e China firmam acordos em áreas como política, comércio e saúde

Jornalista Augusto Nunes agride Glenn Greenwald depois de ser chamado de covarde

Glenn chamou Augusto de covarde, que então partiu para a agressão física. (Foto: Reprodução/YouTube)

Os jornalistas Augusto Nunes, 70, e Glenn Greenwald, 52, fundador do site The Intercept Brasil, trocaram socos durante o programa Pânico, da rádio Jovem Pan, nesta quinta-feira (7). As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Os dois iniciaram uma dura discussão, quando Glenn passou a chamar Augusto de covarde, que então partiu para a agressão física. “Você é um covarde, Augusto Nunes. Você é um covarde”, disse Glenn.

Augusto responde: “Se falar em covarde… Eu vou te mostrar”. Nesse momento, Augusto agride Glenn. “Eu te mostro o que é covarde. Eu te mostro quem tem coragem [inaudível]. Eu te mostro quem tem”, seguiu Augusto. Glenn, em seguida, parte para cima e tenta acertar um soco no rosto de Augusto.

Glenn é fundador do The Intercept Brasil, site que tem publicado uma série de reportagens baseadas em mensagens trocadas no aplicativo Telegram por procuradores da força-tarefa da Operação Lava-Jato e pelo ex-juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro.

No programa da Jovem Pan, ​Glenn chamou o outro jornalista de covarde ao relembrar um comentário feito anteriormente por Augusto na rádio, no qual mencionou os dois filhos adotados pelo jornalista americano e por seu marido, o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ).

Na ocasião, Augusto indagou: “Quem é que cuida das crianças que eles adotaram? Isso aí o juizado de menores deveria investigar”.

O Glenn Greenwald passa o dia tendo chiliques no Twitter ou trabalhando como receptador de mensagens roubadas. Esse David fica em Brasília ou lidando com rachadinhas, que essa é a suspeita aí, que isso dá trabalho”, afirmou ainda o jornalista.

Glenn compartilhou um vídeo com a fala e relatou que fez “jornalismo em dezenas de países no mundo democrático. Um limite absoluto, até em combate político, é não usar os filhos menores como alvo”.

Na época, Augusto respondeu a ele em uma rede social: “Glenn me acusou de alvejar seus filhos. Fake news. Apenas constatei q ele lida em tempo integral com mensagens roubadas, o maridão só pensa no caso da rachadinha em q se meteu e nenhum tem tempo p/ cuidar dos filhos. Pare de mentir, Glenn. É outro mau exemplo para as crianças”.

Nesta quinta-feira, depois da agressão ao companheiro, David reiterou as afirmações que Glenn fez diretamente a Augusto. O parlamentar escreveu em uma rede social: “Augusto Nunes é um indigno. Covarde, sem escrúpulos. É do tamanho da reação lamentável que teve hoje na Jovem Pan”.

O deputado também disse: “Esse canalha usou nossos filhos p/ atacar o trabalho do meu marido. É tão covarde que não consegue escutar a verdade cara a cara e partiu para agressão física. Se os veículos em que ele trabalha forem sérios, vão demitir esse jornalista sem ética e escrúpulos. #SomosTodosGlenn”.

Colegas de partido de David também exprimiram solidariedade a Glenn. O ex-presidenciável Ciro Gomes (PDT) chamou Augusto de bandido e verme. A presidente nacional do PT, deputada Gleisi ​Hoffmann (PR), disse que o americano foi “atacado por um jornalista que não faz jornalismo” e que “a violência é a arma dos covardes”.

Parlamentares do PSL, partido de Bolsonaro, manifestaram apoio ao comentarista da Jovem Pan. Filho do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) escreveu em uma rede social que “reagir a canalhices que partem de um criminoso cínico e folgado é questão de honra”.

Apesar de várias vezes discordar de seus comentários e independentemente dos fatos citados, presto solidariedade ao homem Augusto Nunes!”, afirmou Carlos.

O perfil de Olavo de Carvalho, escritor considerado o guru do bolsonarismo, postou: “O Augusto Nunes descendo a porrada no Verdevaldo foi a coisa mais linda da TV brasileira ever”.

Augusto disse à reportagem que não se arrepende “nem um pouco” do que fez e que ele foi agredido primeiro, verbalmente, pelo americano.

Eu fui insultado moralmente. Aí adverti para que ele não usasse a palavra ‘covarde’, que é insultuosa, que é grave. Adverti cinco vezes, ele insistiu. Eu tinha duas opções: ou reagir com altivez ou engolir o insulto. Não tive alternativa”, afirmou.

Eu reagi como qualquer homem reagiria”, acrescentou. “O agredido fui eu. Eu reagi a uma agressão.”

O jornalista disse ainda que falou a Glenn para “aprender o significado da palavra ‘covarde’ na língua portuguesa, que é uma acusação grave, e talvez ele não saiba”.

Augusto afirmou que fará “a mesma coisa toda vez que for insultado repetidas vezes mesmo diante de uma advertência”, que se considera um homem honrado e que, caso Glenn queira tomar providências legais, “ele pode fazer o que quiser”.