Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > O Equador expulsou o embaixador da Venezuela após a fala de um ministro

Um juiz autorizou depoimentos de 42 testemunhas no processo contra amigos de Temer

Um inquérito em curso no STF apura se Temer recebeu propinas, por meio de intermediários, para favorecer empresas portuárias. (Foto: Divulgação)

O juiz da 12ª Vara da Justiça Federal em Brasília, Marcus Vinicius Reis, autorizou os depoimentos de 42 pessoas no processo em que amigos do presidente Michel Temer se tornaram réus acusados de integrar uma organização criminosa. O juiz atendeu a pedido do MPF (Ministério Público Federal) no Distrito Federal. Do total de 42 testemunhas, a maioria é de delatores – 36 são colaboradores da Lava-Jato – que serão ouvidos no processo do chamado “quadrilhão do MDB”.

Entre os réus dessa ação penal, estão os ex-deputados Eduardo Cunha e Henrique Alves e os amigos do presidente Michel Temer João Batista Lima Filho, ex-coronel da Polícia Militar de São Paulo; o advogado José Yunes, ex-assessor de Temer; e o ex-deputado e ex-assessor da Presidência Rodrigo Rocha Loures.

Entre as testemunhas a serem ouvidas no processo estão o ex-ministro Antonio Palocci, o empresário Marcelo Odebrecht, do grupo Odebrecht; Ricardo Pessoa, da empreiteira UTC; o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró ; o operador Fernando Baiano; o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e o ex-senador Delcidio do Amaral.

O MP (Ministério Público) diz que Yunes e Lima serviam de emissários e arrecadadores de propina para o partido e para Temer. De acordo com o MP há suspeita de que Loures fosse emissário de Temer na Caixa Econômica Federal em um suposto esquema de desvios. Todos negam as acusações. O MP pediu as prisões dos investigados sob o argumento de que havia risco de cometerem crimes, mas o juiz Marcus Vinicius Reis negou o pedido.

Os amigos do presidente, Yunes , Lima e Loures já foram presos em outras investigações. Yunes e Lima cumpriram prisão temporaria na Operação Skala, no início do mês, que investiga empresários do setor de portos e as relações deles com amigos do presidente em troca de supostos benefícios . A pedido da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), os soltou antes do fim do prazo inicial da prisão temporária.

Loures foi preso a partir da delação da JBS-Friboi, em junho do ano passado, por causa da mala com R$ 500 mil que teria recebido de Ricardo Saud, delator e ex-diretor do grupo J&F-Friboi. Menos de um mês depois ele conseguiu liberdade com restrições, por decisão do ministro Edson Fachin, do STF.

O deputado afastado foi filmado pela PF recebendo uma bolsa com o dinheiro enviados por Joesley Batista, após combinar pagamento semanal no mesmo valor pelo período de 20 anos.

A entrega dos R$ 500 mil para Rocha Loures, feita por Ricardo Saud, ocorreu em São Paulo. Depois de passar por três endereços em um mesmo encontro (um café em um shopping, um restaurante e uma pizzaria), Loures deixa a pizzaria levando uma mala preta com o dinheiro.

Deixe seu comentário: