Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > A Polônia está cada vez mais acuada na periferia da União Europeia

Juiz manda PF apresentar até amanhã laudos técnicos da Operação Carne Fraca

Operação Carne Fraca foi deflagrada na sexta-feira (Foto: Divulgação)

A PF (Polícia Federal) utilizou apenas dois laudos técnicos para desencadear a operação Carne Fraca, conforme apurou o Jornal Nacional, da TV Globo, nesta segunda-feira (20).

A investigação, iniciada há dois anos, baseou-se principalmente em interceptações telefônicas e depoimentos de fiscais e funcionários de frigoríficos.

Ainda nesta segunda, o juiz federal Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba (PR), determinou que todos os laudos técnicos que serviram de base para a operação sejam apresentados até a terça-feira (21) pela PF.

O juiz atendeu a um pedido feito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que também pediu acesso às numerações de lotes considerados suspeitos, para poder fiscalizar os produtos.

Laudos

Um dos laudos anexados ao relatório apresentado pela PF é o “exame de produto”, feito na empresa Peccin, que fabrica derivados de frango, porco e embutidos em geral com a marca Italli.

Segundo a PF, o laudo “comprova a impropriedade das salsichas e linguiças produzidas pela Peccin e coletadas em estabelecimentos comerciais de Curitiba, materializando crime contra a saúde pública”. As duas unidades da Peccin, em Curitiba e Jaraguá do Sul (SC), foram interditadas.

Outro laudo foi feito com produtos do frigorífico Souza Ramos, em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, que fabrica embutidos. No primeiro semestre de 2014, pelo menos 14 toneladas de salsicha foram servidas a alunos de escolas estaduais do Paraná.

A PF afirma que o laudo na Souza Ramos apontou que os produtos tinham formulação diversa do contrato e do próprio rótulo, conforme exame laboratorial.

As investigações indicam que, no lugar do peru, que deveria estar na composição, as salsichas eram feitas com carcaças de frango, inferior em qualidade e valor nutricional.

Peccin e Souza Ramos negam as acusações.

Defesa e críticas

A Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais) defendeu, nesta segunda-feira (20), a Carne Fraca. O presidente Luís Boudens disse que a operação reforça o compromisso dos policiais federais com o combate à corrupção e com os interesses da sociedade.

O presidente, no entanto, criticou a atuação do delegado Maurício Moscardi, coordenador da investigação. Segundo ele, o delegado não tem experiência para tratar de assuntos delicados como o eventual abalo econômico advindo de uma grande operação como a Carne Fraca.

A PF não respondeu aos questionamentos sobre os laudos apresentados na Carne Fraca. A corporação também não se pronunciou sobre quais marcas, produtos e lotes estão sob investigação e nem sobre o destino das mercadorias suspeitas de terem problemas.

Moscardi disse que não houve precipitação. Segundo ele, muitos fatos ainda estão sob sigilo e muitas provas ainda serão apresentadas.

Deixe seu comentário: