Últimas Notícias > Notícias > Brasil > O governo faz nova investida para privatizar a Eletrobras

Julgamento de Cristina Kirchner começa na Argentina; entenda as acusações

Cristina nega envolvimento nesses e nos demais escândalos. (Foto: Reprodução/Twitter)

Cristina Kirchner, ex-presidente da Argentina, enfrentou o banco dos réus pela primeira vez nesta terça-feira (21), em Buenos Aires. Na audiência, que começou por volta das 12h (horário de Brasília), ela respondeu a acusações de corrupção em contratos durante o período em que esteve no poder, de 2007 a 2015.

O julgamento intriga a Argentina porque o país está a menos de seis meses da eleição presidencial. Cristina, inclusive, desistiu de concorrer como cabeça de chapa para disputar o cargo de vice. Ela estava em primeiro nas pesquisas de intenção de voto, desbancando o atual presidente, Mauricio Macri.

O começo foi marcado pela leitura dos autos do processo. A acusação afirma que Cristina e seu marido Néstor, falecido em 2010, foram chefes de uma associação criminosa para se apoderar de forma deliberada de milionários fundos públicos.

Para a promotoria, Cristina liderou uma associação ilícita durante seu mandato e fraudou licitações para direcionar 52 obras, que totalizam quase US$ 1 bilhão, para o empresário Lázaro Báez no estado de Santa Cruz, onde os Kirchner começaram sua carreira política.

A decisão do tribunal definirá não só o futuro de Cristina – todo o desenrolar da política argentina está em jogo na sessão.

De que Cristina é acusada?

A ex-presidente responde por associação ilícita e administração fraudulenta. Cristina teria firmado contratos irregulares de obras públicas para favorecer o empresário Lázaro Báez enquanto ocupou a Casa Rosada.

Os promotores encontraram irregularidades na concessão de 51 obras públicas no valor de US$ 1,15 bilhão em Santa Cruz, Patagônia, província do sul da Argentina que foi o trampolim da ex-presidente para a política nacional.

Segundo o jornal “La Nación”, somente duas das 51 obras supostamente fraudadas foram concluídas dentro do prazo previsto. Outras 25 jamais ficaram prontas. As demais, além de atrasar, custaram mais do que o pré-determinado.

De acordo com o site de notícias argentino Infobae, era Cristina quem fixava os valores cobrados das empresas Austral, CPC, Electroingeniería e JCR. Há indícios de irregularidades também no governo de Néstor Kirchner, marido de Cristina, que presidiu a Argentina entre 2003 e 2007.

Cristina pode ser presa?

Nas atuais circunstâncias, não. Caso a Justiça declare a ex-presidente culpada, ela pode ser condenada a até 16 anos de prisão. Porém, Cristina se elegeu senadora em 2017, e, por isso, tem imunidade parlamentar, o que a impede de ser presa até 2023, quando acaba o mandato.

O Senado ainda pode cassar a imunidade parlamentar de Cristina, caso dois terços dos senadores votem a favor. A possibilidade, porém, é pequena.

Cristina poderá ser candidata?

Tudo indica que sim, de acordo com o jornal “La Nación”. Isso porque a Justiça entende que, para torná-lo inelegível, o réu deve ser julgado em todas as instâncias. E o julgamento de Cristina está no Tribunal Oral Federal 2, abaixo da Câmara de Cassação e da Corte Suprema.

Como o processo eleitoral começa em agosto, é muito improvável que o caso seja concluído em todas as instâncias da Justiça da Argentina até o prazo final.

Ainda assim, Cristina surpreendeu quando anunciou que concorrerá como vice-presidente na chapa encabeçada por Alberto Fernández, chefe de gabinete no mandato de Néstor Kirchner.

Quem julga Cristina?

O TOF 2 (Tribunal Oral Federal 2) cuida do caso de Cristina Kirchner, mas o julgamento quase foi suspenso depois que a Corte Suprema da Argentina decidiu analisar recursos apresentados pela defesa da ex-presidente e dos outros réus no mesmo caso.

Após protestos de opositores do kirchnerismo, a Corte Suprema decidiu, na quinta-feira passada, que a análise dos recursos não suspenderia, adiaria ou transferiria a competência do julgamento.

Inicialmente, o julgamento deveria começar em 26 de fevereiro. Entretanto, o juiz Jorge Tassara – um dos integrantes do TOF 2 – ficou doente e morreu dias depois. Por isso, o julgamento foi transferido para 21 de maio.

Quem mais está no banco dos réus?

Além de Cristina Kirchner, o tribunal vai julgar, no mesmo caso mais 12 réus. O julgamento – que deve durar semanas – terá mais de 160 testemunhas arroladas pela Justiça argentina.

Há outros escândalos envolvendo Cristina?

Sim, Cristina responde a outros processos e ainda deve ir a julgamento outras vezes.

Um desses escândalos é o dos “cadernos das propinas”, que eclodiu no ano passado. Nele, a ex-presidente é investigada por outro esquema de corrupção em obras públicas com subornos a empresários.

Os outros casos envolvem mais acusações de lavagem de dinheiro e até a suspeita de acobertar terroristas envolvidos no atentado contra a Amia (Associação Mutual Israelita Argentina).

Cristina nega envolvimento nesses e nos demais escândalos, e se defende dizendo que é vítima de perseguição política e midiática.

Deixe seu comentário: