Últimas Notícias > CAD1 > Um relatório interno do serviço secreto dos Estados Unidos liga o príncipe herdeiro da Arábia Saudita ao assassinato de jornalista dentro do consulado do país na Turquia

A Justiça avaliou o triplex atribuído a Lula em 2 milhões e 200 mil reais

O triplex possui 297 m², sendo 215 m² de área privativa e 82 m² de área comum que inclui duas vagas na garagem. (Foto: Reprodução)

O laudo de avaliação judicial do apartamento triplex no Guarujá (SP) atribuído ao ex-presidente Lula chegou à conclusão de que o imóvel vale R$ 2,2 milhões. O procedimento foi feito a pedido do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR), que determinou a venda do imóvel por meio de hasta pública (alienação de bem penhorado).

Moro tomou a providência depois que a Justiça do Distrito Federal penhorou o tríplex num processo de cobrança de dívidas da construtora OAS. O juiz suspendeu o procedimento e determinou a venda do imóvel, que é considerado fruto de propina paga pela empresa ao líder petista pela execução de obras superfaturadas em refinarias da Petrobras.

A oficial de Justiça que fez a avaliação esclareceu no laudo que se dirigiu ao local e que o porteiro, “Senhor Alexandre”, informou que “as chaves do apartamento ficam com funcionários da empresa OAS”. O funcionário deu a ela o telefone da empreiteira, que enviou dois funcionários ao local. Um deles era a engenheira Mariuza Aparecida da Silva Marques, que foi testemunha do processo contra Lula.

Condenação

Lula foi condenado a 12 anos e um mês de prisão na ação penal que apurou sua relação com a OAS. Segundo a sentença do TRF-4 proferida em janeiro, o ex-presidente foi culpado dos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro por participar no caso de desvios de recursos da Petrobras, no qual teria sido beneficiado com o apartamento no Guarujá.

O fato de o ex-presidente nunca ter ficado com as chaves do imóvel e de ele estar até hoje em posse da empreiteira é um dos argumentos centrais da defesa de Lula. Os advogados alegam que o apartamento é da construtora e não pode ser atribuído ao ex-presidente.

Deixe seu comentário: