Últimas Notícias > Atividades Empresariais > Braskem renova parceria com startup francesa especializada em desenvolvimento de microrganismos

Justiça do Rio condena miliciano a 38 anos de prisão por homicídio

(Foto: Reprodução)

Após assassinar o estudante Julian Hicue Ramirez, em agosto de 2014, o miliciano Carlos Eduardo Caitano de Souza foi condenado pela Justiça do Rio. Ele cumprirá uma pena de 38 anos e 11 meses de prisão em regime fechado.

Na sentença, o juiz Alexandre Abrahão, do 3º Tribunal do Juri, disse que o réu agiu de forma fria e calculista e que o crime foi cometido por motivo fútil, além de impedir a defesa dos atingidos. O condenado faz parte da milícia da Gardênia Azul, em Jacarepaguá, considerada pelas autoridades como uma das mais perigosas da zona oeste do Rio.

“As consequências do crime são extremadas porque a ação foi voltada contra uma pessoa de apenas 19 anos, trabalhadora e estudante que aqui tentava construir uma vida digna e honrada. Acrescente-se, nesse pressuposto, a humilhação imposta aos familiares de Julian, forçada a recorrer a populares para possibilitar o pagamento do enterro, haja vista a pobreza em que viviam”, escreveu o magistrado na sentença.

Caso
Após uma discussão em um bar na Avenida Engenheiro Souza Filho, no Itanhangá, Carlos Eduardo atirou à queima-roupa contra Julian com uma submetralhadora. A vítima foi atingida no pulmão e no fígado e morreu de hemorragia, como apontou o laudo emitido pelo Instituto Médico Legal (IML). Leandro dos Santos Cruz, amigo de Julian, também foi atingido, sobreviveu aos disparos, mas perdeu a memória com o ataque.

Deixe seu comentário: