Últimas Notícias > Notas Mundo > Francês que negava o Holocausto morre aos 89 anos

Lobista do PMDB ostentava hábitos de luxo no Brasil e no exterior

Milton Lyra (de azul, ao centro) participa de degustação de vinhos. (Foto: Reprodução)

Todas as quartas-feiras à noite, com uma taça de champanhe em uma mão e charuto na outra, Milton de Oliveira Lyra Filho, 45 anos, se sentava na varanda do hotel Emiliano, um dos mais luxuosos de São Paulo. Quem queria se encontrar com o lobista, apontado como operador de caciques do PMDB, em especial o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), passava por ali para tomar um drinque com Lyra. De tão habitué que era no hotel, alugou um apartamento no prédio vizinho onde ficava três dias da semana – e até mesmo era servido em casa pelos garçons do Emiliano.

Agora, porém, ele não baterá mais ponto por lá. O lobista foi preso preventivamente na Operação Rizoma, mais um desdobramento da Lava-Jato no Rio de Janeiro que investiga um esquema de lavagem de dinheiro e pagamento de propina para gestores dos fundos de pensão dos Correios (Postalis) e do Serpro, empresa pública de tecnologia da informação.

Lyra já foi alvo de quatro operações da PF, sendo a primeira deflagrada em 2016 a pedido do então procurador-geral da República Rodrigo Janot. Em todas elas o objetivo dos investigadores foi levantar provas de que ele intermediava o pagamento de propina por meio de empresas a Renan ou outros senadores do PMDB indicados pelo ex-presidente da casa. Também foi delatado por pelo menos três colaboradores nesse papel: o ex-diretor da Odebrecht Claudio Melo, o ex-diretor da Hypermarcas Nelson Mello e o ex-funcionário do grupo SP Alimentação Genivaldo Marques, envolvida na máfia da merenda.

O lobista, que nega as acusações, credita sua fortuna aos seus negócios como empresário, entre eles uma rede de comércio eletrônico para animais de estimação chamada “Meu Amigo Pet”. Nas investigações, Lyra já admitiu intermediar o interesse de empresas no Congresso Nacional, mas diz ter feito isso legalmente e sem pagamento de propina – seria apenas um caso de lobby, nas palavras da defesa. Irritava-se com os sucessivos boatos de que estaria fazendo uma delação premiada, sempre desmentidos por sua assessoria. “Eu não tenho o que delatar”, dizia o lobista.

Mas os empresários buscavam Lyra justamente por seu bom trânsito na alta cúpula do poder em Brasília. Simpático e bom de papo, o lobista era anfitrião de degustações de vinhos cujo valor era superior a R$ 1.000. A cozinha era comandada pelo chef do restaurante Gero e os microfones, já que sempre havia música ao vivo, muitas vezes pelo advogado Antônio Carlos Almeida Castro, conhecido como Kakay.

Uma nota fiscal de compra de vinhos encontrada pelos investigadores da Lava Jato comprova o padrão de luxo: a aquisição de 13 garrafas a um preço total de US$ 6.700 – mais de R$ 15 mil. São rótulos de Chateau Margaux 1983, Lafite Rotschild de 1989 e até mesmo um Petrus de 1970 – este último o mais caro, no valor de US$ 1.550.

O Globo obteve acesso ao álbum de fotos de Milton Lyra que está na posse dos investigadores da Lava-Jato, repleto de imagens de viagens, rótulos de vinhos e gente famosa. Lyra fez um selfie tomando uma taça de vinho com o atual ministro das Cidades do governo Temer, Alexandre Baldy, e fez questão de guardar a imagem em seu celular. O lobista, acusado de intermediar propina, também fez selfies em um dos protestos contra a corrupção e contra o governo Dilma Rousseff em 15 de março de 2015, vestido com o uniforme do Brasil.

As imagens também mostram viagens para Arábia Saudita, Paris, Nova York e Miami, participação em eventos que iam da abertura da Copa das Confederações, em 2013, a jantares com o artista plástico brasileiro Romero Britto, de quem se aproximou em suas viagens para a Flórida.

Membro da comunidade de latinos endinheirados que frequentam o balneário americano, Lyra comprou um apartamento na região de Sunny Isles, considerada menos nobre por estar a uma hora de Miami Beach, declarado por ele no valor de R$ 7 milhões. Segundo um de seus vizinhos, quando estava no mar ordenava ao garçom entrar com taça e garrafa de champanhe para servi-lo.

Depois que se tornou alvo da Lava-Jato, porém, Lyra fechou as portas da mansão e diminuiu as idas a Miami de cinco vezes por ano para no máximo uma.

Em sua declaração de Imposto de Renda referente ao ano de 2015, Milton Lyra declarou um patrimônio invejável: R$ 19,2 milhões. Dentre os itens declarados, um veículo BMW X5 no valor de R$ 438 mil, R$ 200 mil em espécie, o imóvel em Miami, diversas salas comerciais em Brasília e em São Paulo e uma casa no Lago Sul, área nobre de Brasília, no valor de R$ 1 milhão.

Sua prisão reacendeu o pânico nos corredores do poder em Brasília, mas Milton, já acostumado com a pressão das investigações, sempre era aconselhado a se preparar psicologicamente para uma prisão.

Deixe seu comentário: