Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, aprovou remédio genérico para o tratamento do câncer de próstata

Louis C.K. admite ter se masturbado na frente de mulheres e se diz arrependido

Comediante publicou comunicado em resposta à acusação feita em reportagem. (Foto: Reprodução)

O comediante americano Louis C.K. admitiu nesta sexta-feira (10) ter se masturbado na frente de cinco mulheres e se diz arrependido. Em reportagem publicada na quinta (9) pelo jornal “The New York Times”, as mulheres afirmam que nenhum dos casos ocorreu durante um encontro sexual consensual e que se sentiram surpresas com os atos ou pedidos do comediante. “Essas histórias são verdadeiras”, diz Louis C.K. em comunicado tornado público.

“Estou arrependido das minhas atitudes. E tentei aprender com elas. E correr delas. Agora estou ciente da extensão do impacto das minhas ações. Aprendi ontem sobre o quanto deixei essas mulheres que me admiravam se sentindo mal sobre elas mesmas e receosas com outros homens que nunca as colocariam nessa posição”, completou o comediante.

A acusação 

A dupla feminina de comediantes Dana Goodman e Julia Wolov diz que, em 2002, durante um festival de comédia, Louis as convidou para seu quarto de hotel. Ele perguntou para elas se poderia mostrar seu pênis. Elas acharam que era uma piada, mas “ele tirou suas roupas, ficou completamente nu e começou a se masturbar”.

A comediante e roteirista Rebecca Corry diz que, em 2005, quando estava participando de um piloto no qual Louis era ator convidado, ele pediu para se masturbar diante dela. Ela diz que ficou surpresa e com raiva, negou o pedido, e ele admitiu para ela que “tinha problemas”.

A atriz Abby Schachner diz que, em 2003, ligou para o ator para convidá-lo para um espetáculo. Ele mudou o assunto do convite para dizer que a achava bonita e começou a falar sobre suas fantasias sexuais. Abby diz que conseguia ouvir o ator se masturbar durante a conversa.

Uma quinta mulher, que não quis se identificar diz que, no final dos anos 1990, trabalhava na produção do programa “The Chris Rock Show” e Louis, roteirista e produtor da série, pedia várias vezes para se masturbar diante dela. A mulher diz que atendeu aos pedidos, mas depois questionou seu comportamento.

Consequências da acusação

Depois da revelação contra Louis C.K., a HBO anunciou que irá retirar os projetos anteriores do humorista de seus serviços sob demanda e também cancelar sua participação no especial “Night of too many stars”, que irá ao ar em 18 de novembro.

O canal FX, que exibe a série “Louie”, escrita, dirigida e estrelada pelo comediante, anunciou que iniciará uma investigação, mas disse que que nenhuma denúncia de má conduta sexual foi feita à rede.

Já o lançamento do filme “I Love You, Daddy” foi cancelado pela distribuidora The Orchard, assim como um especial do Netflix com o comediante.

Leia o comunicado na íntegra de Louis C.K.:

“Quero falar sobre as histórias contadas ao ‘The New York Times’ por cinco mulheres chamadas Abby, Rebecca, Dana, Julia, que foram capazes de mostrar seus nomes, e uma que não foi.

Essas histórias são verdadeiras. Na ocasião, disse para mim mesmo que o que eu fiz era normal porque eu nunca havia mostrado meu pênis para uma mulher sem ter perguntado antes, o que também é verdade. Mas o que aprendi depois na vida, tarde demais, é que quando você tem poder sobre outra pessoa, pedir para elas olharem para o seu pênis não é uma pergunta. É um constrangimento. O poder que eu tinha sobre essas mulheres é que elas me admiravam. E eu exerci esse poder de forma irresponsável.

Estou arrependido das minhas atitudes. E tentei aprender com elas. E correr delas. Agora estou ciente da extensão do impacto das minhas ações. Aprendi ontem sobre o quanto deixei essas mulheres que me admiravam se sentindo mal sobre elas mesmas e receosas com outros homens que nunca as colocariam nessa posição. Também tirei vantagem do fato de ser amplamente admirado na minha comunidade e na delas, o que dificultou que elas compartilhassem suas histórias e trouxe sofrimento quando elas tentaram porque as pessoas que me respeitam não queriam ouvir.

Eu não imaginava que estava fazendo essas coisas porque a minha posição permitia que eu não pensasse sobre isso. Não há nada sobre isso que eu me perdoo. E eu preciso reconciliar isso com o que sou. O que não é nada comparado à tarefa que eu dei para elas. Gostaria de ter reagido à admiração por mim sendo um bom exemplo de homem e dando orientação como um comediante, mesmo porque admirava o trabalho delas.

O arrependimento mais difícil de se conviver é o de ter feito algo para machucar outra pessoa. E eu tenho dificuldade em direcionar minha cabeça ao tanto de dor que causei a elas. Seria negligente em excluir a dor que eu trouxe para as pessoas com quem eu trabalho ou já trabalhei e cujas vidas profissionais e pessoais foram impactadas por tudo isso, incluindo projetos atualmente em produção: os elencos e equipes de ‘Better Things’, ‘Baskets’, ‘The Cops’, ‘One Mississippi’ e ‘I Love You, Daddy’.

Eu me arrependo profundamente por isso ter atraído atenção negativa para o meu empresário Dave Becky, que apenas tentou mediar a situação que eu causei. Eu trouxe angústia e dificuldade às pessoas do FX que me deram tanto e à The Orchard, que acreditou no meu filme, e todas as outras entidades que apostaram em mim ao longo dos anos. Eu trouxe dor à minha família, meus amigos, minhas filhas e sua mãe.

Eu passei minha longa e sortuda carreira falando e dizendo tudo que eu queria. Eu agora irei me afastar e passar um longo tempo ouvindo. Obrigado pela leitura”.

Deixe seu comentário: