Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Operação nacional contra o tráfico de drogas dentro e fora das escolas tem mais de 450 detidos

Mães de bebês do sexo masculino têm maior risco de depressão pós-parto

Risco ocorre tanto na gestação de meninos quanto em partos complicados. (Foto: Reprodução)

Mulheres que dão a luz a um bebê do sexo masculino possuem risco maior de sofrer de depressão pós-parto. É isso que aponta uma pesquisa feita pela Universidade de Kent, que comparou o risco entre mães de meninos e meninas.

Nessas mulheres, o risco aumenta de 71 a 79%. E o risco é ainda maior – cerca de 174% – para mulheres com complicações ocorridas durante o trabalho de parto.

Segundo o estudo, isso ocorre pelo fato de que as respostas imunológicas e inflamatórias exacerbadas estão envolvidas em muitos quadros de depressão, incluindo também o de depressão pós-parto. E já é fato científico que, tanto na gestação de meninos quanto nos partos complicados, há um aumento da atividade imunológica inflamatória.

Outro fato interessante é que mulheres que sofrem de ansiedade ou depressão durante a gravidez costumam ser mais cuidadas após o parto, com melhor rede de apoio e suporte. Como consequência, em muitos casos isso diminui as chances de depressão pós-parto, ao contrário das mulheres sem antecedentes de depressão que acabam não recebendo o acompanhamento ideal necessário.

A pesquisa reforça a importância da prevenção de depressão pós-parto e não apenas o desenvolvimento de novos psicofármacos para o tratamento. Afinal, trabalhos de apoio, psicoterapia e orientações psicoeducativas podem ser essenciais para prevenir episódios depressivos de mulheres após a gravidez.

Dois empregos

Ser mãe é ter um trabalho em tempo integral, certo? Errado! Um estudo americano que acompanhou a programação semanal de 2.000 mães, com filhos entre 5 e 12 anos, revelou que o “ofício” equivale a 2,5 empregos em tempo integral.

A pesquisa, realizada pela companhia norte-americana Welch´s Foods, constatou que a média de tempo gasto pelas mães em seus afazeres diários é de 98 horas por semana, mais que o dobro de um trabalho cuja carga seja de 40 horas semanais. A jornada dessas mães começa por volta de 6h23min e termina aproximadamente às 20h31min.

Elas não param! Mesmo nas horas vagas, sempre aparece alguma tarefa. E, obviamente, nem sempre há perspectiva de descanso no final de semana. A maior parte dessas mães relatou que consegue ter pouco mais de uma hora diária para si mesmas. Usam este tempo para ir ao banheiro ou tomar um banho rápido – de preferência sem a companhia dos filhos, o que é uma realidade distante principalmente para quem tem crianças mais novas.

Deixe seu comentário: