Últimas Notícias > Colunistas > Bárbara Veit > Reforma fiscal americana, por que não copiar?

A maioria dos americanos não quer Oprah Winfrey como presidente dos Estados Unidos, diz pesquisa

O presidente Donald Trump já quis a rainha dos talk shows da tarde como colega de chapa à Casa Branca.  (Foto: Reprodução)

Embora a maioria dos americanos goste da apresentadora Oprah Winfrey, menos da metade deseja que ela se lance candidata à presidência, uma ideia crescente desde seu discurso na premiação do Globo de Ouro.

Uma pesquisa realizada entre segunda e quarta-feiras, com 1.350 adultos, pela rádio pública NPR/Marist Poll indica que 64% dos americanos têm opiniões favoráveis à Oprah, que costuma receber, em seu programa, confidências de centenas de celebridades.

Mas, apesar de a jornalista, atriz e empresária de 63 anos ter uma popularidade impressionante, apenas 35% dos americanos desejam que ela se candidate em 2020.

Até entre os democratas, apenas 47% querem que ela concorra, contra 15% dos republicanos. Um americano em cada dois disse que votaria em Oprah, se a eleição presidencial acontecesse agora – contra 39% em Trump.

A pesquisa é a primeira realizada desde a cerimônia de entrega dos prêmios Globo de Ouro no domingo. Seu discurso emotivo e inspirador anunciando a chegada de “um novo dia” para jovens e mulheres em meio à avalanche de denúncias de abuso e assédio lançou rumores sobre suas ambições políticas. Algumas fontes próximas à apresentadora, a primeira mulher negra a alcançar sucesso notável na televisão americana, indicaram que Oprah considera seriamente uma candidatura presidencial.

Dobradinha Oprah e Trump

O presidente Donald Trump já quis a rainha dos talk shows da tarde como colega de chapa à Casa Branca. Enquanto Hollywood e o establishment político digerem o discurso hiperpolitizado de Oprah na última cerimônia do Globo de Ouro, ainda circula na internet uma capa do tabloide nova-iorquino Daily News em que o atual presidente dizia querer a apresentadora como vice numa possível campanha futura.

“Ela é popular, brilhante, uma mulher maravilhosa”, disse Trump, sobre a também atriz e empresária, na entrevista de 1999. “Não sei se ela jamais faria isso [disputar a Presidência].”

Ivanka Trump, filha e assessora do atual presidente, também virou por instantes um improvável – e involuntário– cabo eleitoral da apresentadora ao postar na internet uma mensagem de apoio ao discurso de Oprah, que chamou de “empoderador”.

Enquanto as redes sociais pegam fogo, porta-vozes do presidente disseram a jornalistas a bordo do Air Force One, o avião presidencial, que ele aceita o desafio de concorrer à reeleição tendo Oprah como rival.

Mais tarde, o próprio afirmou que derrotaria a oponente hipotética. “Ganho da Oprah”, disse ele, durante encontro com parlamentares em Washington, lembrando ter participado com sua família do programa de TV dela. “Oprah [como adversária] seria algo divertido.”

Casa de Oprah na Califórnia

Oprah compartilhou um vídeo há poucos dias em sua conta no Instagram em que mostra o quintal de sua casa em Santa Bárbara, na Califórnia, coberto de lama. Desde a última terça, o estado sofre com deslizamentos de terra causados por fortes chuvas.

“A parte dos fundos da casa está destruída”, disse. Agradecendo aos fãs pela preocupação e por suas orações, Oprah afirmou que sua casa estava bem, e que a propriedade tinha sofrido apenas “danos menores” que não eram nada “em comparação com o que os vizinhos estão passando”.

Deixe seu comentário: