Últimas Notícias > Notícias > Ciência > A Nasa revela planos para plataforma na Lua como porta de entrada a astronautas

Menino é resgatado após ficar do lado de fora de janela a 40 metros de altura

O primeiro a perceber o perigo que o menino corria foi o vizinho do andar logo abaixo. (Foto: Reprodução)

Um menino de 5 anos foi resgatado após ficar em pé do lado de fora de uma janela do apartamento em que mora, na província de Jiangsu (China), a cerca de 40 metros de altura. A criança estava sozinha em casa.

Inicialmente, seguranças do prédio e moradores usaram lençol como uma rede de segurança logo abaixo do menino enquanto a ajuda profissional não chegava. O primeiro a perceber o perigo que o menino corria foi Zhou Shaoting, que mora logo abaixo.

“Era muito perigoso, o menino poderia escorregar e morrer”, afirmou ele ao site “China News”. Em determinado momento, Zhou conseguiu subir na janela do seu apartamento e segurar o menino com um das mãos.

Antes mesmo da chegada dos bombeiros, o avô do menino voltou para o apartamento e resgatou o neto.

Jovem se machuca ao tentar comer polvo vivo

Uma blogueira chinesa viralizou nas redes sociais no início do mês após ter sido atacada por um polvo ao tentar comê-lo vivo durante uma transmissão ao vivo na internet.

No vídeo, a jovem se desespera e chora ao perceber que os tentáculos do animal ficaram presos em sua pele. Durante cerca de 50 segundos, ela se esforça para se livrar do animal, o que acaba conseguindo, apesar de ficar com um machucado no rosto.

De acordo com o site Metro, a transmissão original foi feita em uma rede social de vídeos chinesa chamada Kuaishou, na qual a jovem possui uma conta.

Nas redes sociais, a maior parte dos internautas não se sensibilizou muito com o sofrimento da chinesa. Boa parte dos usuários do Twitter, por exemplo, criticou o fato de ela estar comendo o polvo vivo.

Atropelamentos na China

As coisas podem se tornar drasticamente horríveis quando pedestres são acidentalmente atropelados por motoristas na China.

Em 2011, veio a público um vídeo perturbador que se tornou viral, originário de Foshan, Guangdong, onde uma menina de 2 anos de idade, apelidada de Yue Yue, é atropelada por dois veículos. Nem os motoristas nem os 18 pedestres e ciclistas que passavam por ali pararam para ajudar.

Embora Yue Yue tenha sido finalmente resgatada por um varredor, ela não resistiu aos ferimentos.

Ainda mais assustador é o fato de que alguns motoristas na China preferem matar o pedestre em vez de deixá-lo ferido quando se envolvem em um acidente de trânsito. Para garantir que a vítima está morta, o motorista passa intencionalmente sobre o pedestre várias vezes.

Este escandaloso fenômeno de “atropela e mata” foi investigado pelo advogado novaiorquino Geoffrey Sant em um artigo publicado na revista Slate.

De acordo com Sant, nos últimos anos, câmeras de vigilância em toda a China têm capturado regularmente motoristas que acabaram de atropelar acidentalmente um pedestre, dando marcha a ré intencionalmente para matar a pessoa ferida.

Slate relatou um incidente que ocorreu em abril de 2015, também em Foshan, Guangdong, onde uma menina de 2 anos foi atropelada por um BMW que invadiu um mercado de frutas. A avó da menina gritou: “Pare! Você atropelou uma criança!”

O motorista da BMW, que dirigia sem licença, parou um momento antes de dar marcha a ré para passar por cima da garota até a morte, não uma vez, mas três vezes.

Sem remorso ou culpa, o motorista saiu do carro e disse: “Não diga que eu estava dirigindo. Diga que foi meu marido. Nós podemos te dar dinheiro”.

Quando o caso foi levado a tribunal, a mulher alegou que foi um acidente e, por isso, foi condenada apenas a dois ou quatro anos de prisão.

Ao que parece, os motoristas matam intencionalmente os pedestres que atropelam por medo de pagar uma alta indenização, porque a lei chinesa torna mais barato matar uma pessoa do que machucá-la.

De acordo com o sistema legal chinês, o réu é obrigado a pagar uma indenização de entre 30 mil e 50 mil dólares por matar alguém em um acidente de trânsito.

Já nos casos envolvendo lesões graves, o réu fica responsável por pagamentos vitalícios. O motorista terá que pagar pelo cuidado vitalício do sobrevivente deficiente, que pode ser superior a um milhão de dólares.

Além disso, o motorista pode escapar da acusação de homicídio simplesmente subornando as autoridades locais ou contratando um advogado.

“É um cenário muito triste. E quero deixar claro que isso não é algo que acontece toda vez que há um acidente. Mas é verdade que os motoristas que atropelam um pedestre voltam e o atropelam pela segunda vez, ou até pela terceira vez, para garantir que ele esteja morto”, disse Sant à apresentadora do programa As it Happens, Carol Off.

Deixe seu comentário: