Segunda-feira, 09 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
21°
Fair

Bem-Estar Metade da população mundial não tem acesso a serviços essenciais de saúde, apontou relatório

O presidente da Abramge-RS, Francisco Antônio Santa Helena, demonstrou preocupação com o cenário. (Foto: Reprodução)

Pelo menos metade da população mundial não tem acesso a serviços essenciais de saúde e as que têm gastam grande parte do orçamento com despesas médicas. Os dados são de relatório do Banco Mundial e da OMS (Organização Mundial de Saúde) divulgado nesta quarta-feira (13) em conferência em Tóquio, no Japão.

De acordo com o documento, 800 milhões de pessoas no mundo gastam 10% do que ganham com saúde e quase 100 milhões são obrigadas a viver com menos de US$ 1,90 por dia por conta desses gastos.

As informações também foram divulgadas simultaneamente no ‘Lancet Global Health’ e publicados um dia após o Dia da Cobertura Universal de Saúde, comemorado no dia 12 de dezembro. Ainda, a divulgação do relatório vai na esteira de um dos objetivos da Organização Mundial de Saúde: o de estimular o investimento de países no acesso universal a serviços de saúde. Segundo a entidade, todos seus países membros se comprometeram a tentar oferecer o acesso expandido à saúde até 2030.

“É completamente inaceitável que metade do mundo ainda não tenha cobertura para os serviços de saúde mais essenciais”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde, em nota. “E é desnecessário. Existe uma solução: a cobertura de saúde universal (UHC) permite a todos obter os serviços de saúde de que precisam, quando e onde precisam, sem enfrentar dificuldades financeiras”, continuou.

Não são todos os países no mundo que oferecem acesso universal à saúde: quando todos os cidadãos têm acesso gratuito e completo a serviços de médicos. O Brasil, com o SUS, oferece acesso universal. Países como Holanda, Reino Unido e Canadá também oferecem. Nos Estados Unidos e na África do Sul, por exemplo, não há acesso universal.

Há progresso, mas ele é lento e desigual

O documento mostra que, se por um lado há o acesso maior a alguns tratamentos, como o de drogas anti-HIV e vacinas, esse acesso é lento e desigual no mundo. Um outro ponto é que parte desse acesso é conquistado com sacrifício financeiro de famílias.

A OMS aponta lacunas na disponibilidade de serviços na África Subsaariana e no Sul da Ásia. Nos países de baixa e média renda, apenas 17% das mães de crianças em lares mais pobres recebem as intervenções de saúde básica para o cuidado de crianças, como testes essenciais e vacinas. Já nos países de renda alta, esse índice é bem maior: 74% das famílias têm acesso a serviços básicos durante a maternidade.

Todas de Bem-Estar

Compartilhe esta notícia:

Uma empresária do ramo gastronômico de Gramado foi libertada após ter sido sequestrada
Ataque aéreo contra campo de prisioneiros deixa pelo menos 39 mortos no Iêmen
Deixe seu comentário
Pode te interessar