Últimas Notícias > Notícias > Brasil > “Não somos justiceiros, somos defensores da Constituição”, diz o ministro do Supremo Marco Aurélio sobre julgamento da prisão após a segunda instância

Morre o empresário gaúcho Renato Ribeiro, ex-proprietário do jornal Correio do Povo e da rádio e TV Guaíba

Ribeiro havia sofrido uma parada cardiorrespiratória há quase dois anos. (Foto: Reprodução)

Será sepultado às 15h deste sábado, em Porto Alegre, o corpo do empresário gaúcho Renato Bastos Ribeiro, 75 anos, ex-proprietário da Companhia Jornalística Caldas Júnior, responsável até 2007 pelo “Correio do Povo”, Rádio Guaíba e TV Guaíba (atual Record-RS). O velório começa às 8h no cemitério São Miguel e Almas.

A morte ocorreu na manhã dessa sexta-feira, vítima de complicações decorrentes de uma parada cardiorrespiratória sofrida há quase dois anos e que o manteve internado por vários meses. Na ocasião, ele jantava com amigos quando se sentiu mal, sendo socorrido imediatamente por médicos que estavam à mesa. Ribeiro deixa viúva Lisete, quatro filhos (Aluizio, Carla, Rogério e Márcia) e dez netos.

Trajetória

Com o auxílio do irmão Carlos Ribeiro, Renato comandou o jornal (fundado em 1895) e as duas emissoras até 2007, quando vendeu o conglomerado ao grupo Record. O negócio foi estimado, na época, em aproximadamente R$ 100 milhões, segundo fontes ligadas ao segmento de comunicação no Estado.

Ao noticiar o falecimento, a edição deste fim-de-semana do “Correio do Povo” definiu o empresário como o responsável pelo renascimento do veículo, já que em 1979 a Companhia Jornalística Caldas Júnior começou a enfrentar dificuldades, por conta da elevada dívida assumida para a instalação da TV Guaíba (canal 2).

“Foi um período em que as portas de novos financiamentos se fecharam no Brasil, devido à primeira crise internacional do petróleo, e a inflação recrudesceu”, relembrou o veículo, que por conta desse problema deixou de circular entre junho de 1984 e agosto de 1986, já sob o controle do empresário.

“Em 26 de maio de 1987, o ‘Correio do Povo’ passou a ser um tabloide e experimentou novas inovações tecnológicas. Foi sob o comando de Renato Ribeiro que, em 1997, o Correio ingressou na internet com o site CP.Net replicando todo o conteúdo do jornal impresso para os seus assinantes”, acrescentou.

(Marcello Campos)