Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Polícia diz que tiro de PM matou a menina Ágatha e que não havia confronto no Rio de Janeiro

Não convide Kátia Abreu e José Serra para um mesmo jantar

Ministra se irritou depois de ter sido chamada de “namoradeira” pelo tucano. (Foto: Reprodução)

O que seria um jantar de confraternização natalina na casa do líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), cuja atração principal era a presença do vice-presidente Michel Temer, acabou em “barraco” entre a ministra da Agricultura Kátia Abreu e o senador José Serra (PSDB-SP), que deixou constrangidos os convidados. Sentindo-se ofendida por um comentário do tucano, a ministra atirou vinho branco na direção dele depois de um bate-boca acalorado.

Em uma roda de oito senadores, o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO), que é médico, contava de um episódio em que teve de aplicar uma injeção na ministra. O tucano quis brincar, mas a brincadeira descambou para um entrevero que deixou os senadores surpresos. “O que tenho ouvido é que você tem fama de ser muito namoradeira”, disse Serra a Kátia. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), imediatamente, tentou pôr panos quentes: “Senador Serra, a ministra Kátia casou-se já pouco tempo…”. Mas a ministra reagiu de pronto.

“Me respeite que sou uma mulher casada e mesmo quando solteira, ao contrário de você, nunca traí. Te apoiei para presidente, mas, por causa desse seu comportamento deselegante, nunca chegará lá”, rebateu, arremessando o vinho na direção do senador tucano. O líquido atingiu o terno de Serra.

No Twitter, ministra afirmou que reagiu “à altura” a brincadeira. Foto: Reprodução
No Twitter, ministra afirmou que reagiu “à altura” a brincadeira. Foto: Reprodução

O líder do PSDB, Cássio Cunha Lima (PB), tentou acalmar Kátia: “Talvez o Serra não soubesse que você tinha se casado. Ele não fez com maldade, tem muito apreço por você”.

No dia seguinte, após ser noticiado o entrevero, a ministra amanheceu ainda muito irritada e desabafou nas redes sociais. Disse que o comentário de Serra tinha sido “infeliz, desrespeitoso, arrogante e machista”. “Reagi à altura de uma mulher que preza sua honra. Todas as mulheres conhecem bem o eufemismo da expressão ‘namoradeira’”.

Surpreso com a reação de Kátia com as publicações no Twitter, Serra disse que foi mal interpretado: “Fiz uma brincadeira elogiosa em um clima de descontração, mas foi mal recebida. Pedi desculpas”. Coube a Calheiros entrar no circuito, logo cedo, para acalmar a ministra. Ela contou que Calheiros, a pedido de Serra, lhe telefonou para pedir que “deixasse isso para lá”.

“O Serra sempre foi cheio de graça sem graça. Ele e o [senador Roberto] Requião. Mas é um bom rapaz. O que aconteceu não desmerece o seu bom caráter. Foi um momento infeliz, mas sem mágoas. Que sirva como lição para que não faça mais esse tipo de brincadeira. As palavras são muito sutis”, contou Oliveira. “No final eu os reaproximei e ficou tudo na boa”, contou o anfitrião da festa.

Temer passou bom tempo conversando com o senador e ex-presidente Fernando Collor. Foto: Reprodução
Temer passou bom tempo conversando com o senador e ex-presidente Fernando Collor. Foto: Reprodução

“O vice está deslumbrado.”

A um canto da piscina uma fila de senadores e ministros assediavam o vice, e o assunto era um só: como tinha sido a conversa com Dilma e sua avaliação sobre o desfecho do impeachment. Temer teve duas conversas particularmente demoradas: com Kátia, uma das mais ferrenhas defensoras da presidente Dilma; e com o senador e ex-presidente Fernando Collor (PTB-AL), que passou a noite falando sobre o processo de impeachment que o apeou da Presidência em 1992.

Segundo o relato dos senadores que conversaram com Temer, ele mostrou preocupação em não avançar em comentários sobre um eventual impedimento de Dilma. Mas disse que qualquer saída, e uma eventual posse no cargo de presidente, só se daria por vias constitucionais incontestáveis.

“O vice está deslumbrado e muito embevecido achando que já é o presidente, mas disse que não vai fazer nenhum comentário a respeito. Na conversa ele disse para a presidenta Dilma que sua preocupação agora é com o partido que está dividido ao meio. Há em curso um processo paulista, do empresariado e da mídia impulsionando esse seu comportamento de distanciamento da presidenta”, comentou Kátia. (AG)