Últimas Notícias > Colunistas > Fatos históricos do dia 21 de abril

“Não estou preocupado com pesquisas porque elas não têm credibilidade”, diz Bolsonaro

Jair Bolsonaro fará uma viagem a um grupo de países árabes ainda neste ano. (Foto: José Dias/PR)

O presidente Jair Bolsonaro minimizou, durante viagem ao Chile nesta quinta-feira (21), a pesquisa do Ibope divulgada na quarta-feira, 20, que apontou queda de 49% em janeiro para 34% em março no índice de aprovação de seu governo no Brasil. Ao desembarcar em Santiago para uma agenda de três dias, Bolsonaro declarou que levantamentos como esse não têm credibilidade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo e da Agência Brasil.

“Eu não estou preocupado com pesquisas porque também não têm credibilidade, assim como pesquisas eleitorais”, declarou, citando que institutos de pesquisa haviam apontado, em 2018, que ele perderia para qualquer candidato que enfrentasse no segundo turno.

Para este sábado, 23, protestos estão convocados na capital chilena durante a agenda bilateral do presidente brasileiro com o presidente do Chile, Sebastian Piñera. Bolsonaro afirmou que há manifestações contrárias a ele em qualquer lugar que viaja e que os brasileiros que o elegeram votaram “do coração”. “Essas pessoas que reclamam hoje acho que eles não queriam que o Brasil caminhasse para a situação que se encontra a nossa Venezuela, onde o povo luta bravamente para se libertar das garras da ditadura.”

Para a ocasião, líderes do Congresso chileno recusaram convites para o almoço que será oferecido a Bolsonaro. Perguntado sobre o tema, o brasileiro afirmou apenas que não foi responsável pelos convites e que quem os distribuiu – ou seja, o governo do Chile – sabia quem estava convidando.

Nesta sexta-feira, 22, Bolsonaro se junta a outros seis presidentes sul-americanos para uma cúpula de integração da região. A proposta é oficializar a criação de um bloco em substituição à Unasul (União de Nações Sul-Americanas). A expectativa do presidente brasileiro é, durante o encontro, “selar o fim da Unasul”, conforme declarou ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Santiago.

Reforma da Previdência

Bolsonaro afirmou também nesta quinta-feira que a reforma da Previdência é fundamental para equalizar as contas públicas do Brasil e, sem ela, o país poderá entrar em colapso até 2022. A declaração foi dada durante uma transmissão, ao vivo, de sua página oficial no Facebook.

“Eu, no fundo, não gostaria de fazer a reforma da Previdência, mas, se não fizesse, estaria agindo de forma irresponsável e, em 2021 ou 2022, o Brasil vai parar se não fizer essa reforma, infelizmente é isso”, afirmou. Durante a transmissão, que começou às 19h e durou pouco mais de 30 minutos, o presidente estava acompanhado dos ministros Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), além do porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo e Barros, e do deputado federal Hélio Lopes (PSL-RJ), que integra a comitiva.

Bolsonaro disse que o país está “quebrado” e lembrou que os problemas se refletem também para estados e municípios. “Logicamente, vocês sabem que estamos quebrados, temos uma dívida interna de quase R$ 4 trilhões, pagamos de juros, por ano, o equivalente a um plano Marshall, aquele que reconstruiu a Europa após a Segunda Guerra Mundial. Temos um problema do inchaço de servidores em alguns locais. Tem mutos estados, muitos municípios que também têm problemas”, apontou.

Deixe seu comentário: