Últimas Notícias > Capa – Destaques > Um incêndio em um poste provocou o bloqueio do trânsito na rua Ramiro Barcelos, em Porto Alegre

Único filho do presidente eleito que ficará longe do futuro governo, Carlos Bolsonaro recebeu elogios do pai pelo seu aniversário

Considerado o mais agressivo dos irmãos, Carlos é vereador no Rio de Janeiro. (Foto: Agência Brasil)

Em mensagem no Twitter, o presidente eleito Jair Bolsonaro parabenizou pelo aniversário de 36 anos o seu segundo filho, Carlos, vereador do Rio de Janeiro pelo PSC e gerenciador das mídias sociais do pai durante a campanha eleitoral. “Não sou muito bom com emoções expostas, mas faço questão de ser desta vez. Meu PitBull, obrigado sempre por estar por perto, jamais querendo aparecer ou obter ganhos pessoais”, postou.

“O primeiro a aceitar o desafio de encarar os ventos das adversidades que enfrentamos até chegar aqui. Não fosse seu intuito em tomar iniciativas e se antecipar a problemas, talvez não tivéssemos chegado tão longe. Muito mais acertos que erros. Carlos sempre foi e é decisivo em nossas conversas. Enganam-se os que creem que irão nos separar”, foram algumas das palavras do presidente eleito sobre o aniversariante.

Segundo a coluna da jornalista Mônica Bergamo no jornal “Folha de S.Paulo”, a atuação de Carlos Bolsonaro tem preocupado integrantes da equipe do presidente eleito desde a campanha eleitoral, quando o filho comandou as redes sociais do pai. Carlos já se desentendeu com os dois ex-dirigentes do PSL, Gustavo Bebianno e Julian Lemos.

O atrito com Gustavo Bebianno (advogado do presidente eleito, ex-presidente do PSL e futuro secretário-geral da Presidência) aconteceu quando o presidente eleito disse que estudava o nome do filho para a Secom (Secretaria de Comunicação Social), dando à área status de ministério. A ideia foi afastada, e quem ficou com a Secom foi Bebianno, que abrigará o órgão sob sua Secretaria-Geral.

Após a definição do futuro da Secom, Carlos foi ao Twitter declarar que estava voltando à Câmara de Vereadores do Rio e que não iria mais administrar as redes sociais do pai. A última desavença pública aconteceu na quarta-feira (05) e envolveu Julian Lemos, deputado federal eleito, membro da equipe de transição e ex-dirigente do PSL.

Carlos Bolsonaro publicou em seu Twitter que Lemos estaria se “colocando como coordenador de Jair Bolsonaro no Nordeste”, função que Carlos disse que ele nunca teve. “Não é e nunca foi! Senhor Julian Lemos [marcando o perfil], quem elegeu Bolsonaro foram pessoas que, em nenhum momento, pleiteiam algo a mais, a não ser um Brasil melhor! Sugerimos parar de aparecer atrás dele por algum motivo como faz sempre!”.

Lemos replicou no Facebook: “Na minha casa o que meu pai falava era respeitado. Um homem, quando está em paz, não quer guerra com ninguém”. Lemos também postou link de uma entrevista ao jornalista paraibano Marcone Ferreira, a quem disse que só dava atenção a Jair Bolsonaro e não responderia a Carlos porque está trabalhando.

Trajetória

Carlos Bolsonaro, 36 anos, entrou no mundo da política aos 17 anos, quando o pai rompeu com Rogéria Nantes Nunes Braga, ex-esposa e mãe de Carlos e seus irmãos Flávio e Eduardo. Bolsonaro emancipou o filho para que ele disputasse com Rogéria uma vaga na Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro. O filho foi eleito, mas a mãe não. Carlos está no cargo há 18 anos (cinco mandatos consecutivos). Rogéria depois se reconciliou com o ex-marido.

Deixe seu comentário: