Sábado, 25 de Janeiro de 2020

Porto Alegre
Porto Alegre
28°
Fair

Mundo Nos EUA, republicanos ameaçam frear reabertura de embaixada em Cuba

Viagem de Obama está prevista para abril (Foto: Mandel Ngan/AFP)

Logo após o celebrado anúncio da reabertura das embaixadas entre Cuba e Estados Unidos, feito na última quarta-feira pelos dois governos, congressistas republicanos começaram a dar indícios que o presidente Barack Obama não terá tanta facilidade para implementar sua decisão. A reabertura das embaixadas não depende da aprovação do Congresso norte-americano, mas questões práticas para viabilizar a retomada completa das relações diplomáticas estão sujeitas à boa vontade de deputados e senadores.

Entre elas está a aprovação do financiamento para a reforma do prédio no Malecón que abrigará a embaixada e do nome do novo embaixador em Havana. O líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, disse nessa quinta-feira que a casa não deve aprovar um novo embaixador.

Ted Cruz, senador pelo Texas e um dos pré-candidatos republicanos à Casa Branca em 2016, disse em nota que vai trabalhar para bloquear qualquer financiamento para a embaixada e os nomes sugeridos pelo presidente para assumir a representação.  Jeffrey DeLaurentis, atual chefe da seção de negócios em Havana, é considerado o favorito para a nomeação.

A condição colocada por Cruz para baixar a guarda é Obama demonstrar “que fez algum progresso em aliviar a miséria” do povo cubano. Na Câmara, os republicanos também já começaram a mostrar as garras. “O apoio para manter a pressão no regime de [Raúl] Castro é mais forte do que nunca no Congresso”, disse o deputado pela Flórida Mario Diaz-Balart, cubano-americano que é um dos principais críticos à decisão de Obama.

Reforma

O Departamento de Estado pediu ao Congresso cerca de 6 milhões de dólares no orçamento do ano fiscal de 2016 para transformar a seção de negócios que funciona hoje em Havana em embaixada. Segundo o senador democrata Dick Durbin, por Illinois, o governo acredita ter recursos no Departamento de Estado para “ao menos iniciar a embaixada”.

Em teleconferência na quarta-feira, um alto funcionário do Departamento de Estado disse a jornalistas que seria uma “vergonha” se o Congresso impedir a reabertura ao bloquear recursos. “São coisas que todos queremos fazer, como aumentar nosso alcance a cubanos em toda a ilha ou a possibilidade de que mais agências estejam presentes em Cuba”, disse o funcionário.

Obama ainda pediu ao Congresso que suspenda o embargo econômico e a viagens à ilha. O democrata já aliviou parte das restrições, mas é pouco provável que os congressistas atendam também a essa solicitação. (Folhapress)

Voltar Todas de Mundo

Compartilhe esta notícia:

Governo gaúcho repassa 3.210 netbooks a escolas públicas
OAB diz que redução da maioridade é inconstitucional e pode ir ao Supremo
Deixe seu comentário
Pode te interessar