Últimas Notícias > Capa – Caderno 1 > Morreu uma das fundadoras das Avós da Praça de Maio

Novo dono do triplex que era atribuído a Lula já tem condenação por fraude

Imóvel chegou a ser ocupado por manifestantes. (Foto: Reprodução)

Arrematante do triplex pivô da condenação do ex-presidente Lula na Lava-Jato, o empresário Fernando Gontijo também pendências com a Justiça. Ele foi condenado por improbidade no âmbito da Operação Confraria, deflagrada na Paraíba contra fraudes em licitações na Prefeitura de João Pessoa. A ação da PF foi deflagrada em julho de 2005, autorizada pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

Além de Gontijo, outros oito sentenciados – entre eles, o ex-governador do Estado e ex-prefeito de João Pessoa Cícero de Lucena Filho (PSDB), que chegou a ser preso na ação da PF -, devem pagar multa de R$ 852 mil. A decisão é da juíza Wanessa Figueiredo dos Santos Lima, da 2ª Vara Criminal.

O valor é referente ao superfaturamento de obras públicas de infraestrutura bancadas com dinheiro de convênios entre a União e a Prefeitura.

Entre os projetos superfaturados, estão infraestruturas hídricas para comunidades ribeirinhas, dragagem e urbanização da Lagoa João Chagas e a dragagem do Rio Jaguaribe.

Na ação, Fernando é apontado como representante da Via Engenharia em uma licitação que teria sido fraudada. Ele recorre da decisão ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

Ao Estado, Gontijo afirmou que, em 2001, enquanto executivo da Via, assinou ‘um contrato na qualidade de procurador da empresa’. “O contrato estava parado, inativo, parado, mas infelizmente a juíza liberou o procurador de outra empresa, houve uma confusão do meu nome com um acionista da empresa e acabou me condenando”

“Isso não faz o menor sentido, num contrato de 20 anos atrás. Infelizmente, a nossa Justiça é lenta, né?”, completa Gontijo, que viu processo sobre os mesmos fatos ser arquivado na área criminal.

Triplex

Gontijo, de 64 anos, é o novo dono de um dos imóveis mais comentados do País: o triplex 164-A, no condomínio Solaris, no Guarujá.

O apartamento foi o pivô da condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Operação Lava-Jato. Ele foi arrematado pelo valor mínimo estipulado no edital, de R$ 2,2 milhões.

Gontijo tem 3 dias para realizar o pagamento e oficializar o negócio. “O triplex tem mais de 200m², uma vista privilegiada e, por trás dele, existe uma história. É uma aposta, mas acredito que pode ser um bom negócio”, disse.

O apartamento foi arrematado a apenas 5 minutos do fim da primeira fase do leilão virtual – quando a página já registrava 54.900 visitantes.

O empresário diz atuar no mercado imobiliário em Brasília e em outras cidades. Ele criou uma empresa especificamente para comprar o imóvel, a Guarujá Participação. A companhia foi registrada no dia 29 de março, segundo a Junta Comercial do Distrito Federal, 13 dias após o início do leilão.

Gontijo diz, no entanto, que atua principalmente por meio da FCG Comércio, Turismo e Serviços. Ele aparece também como sócio de pelo menos outra dezena de empresas e admite que atua tanto com o Poder Público como com a iniciativa privada em seus empreendimentos.

O pai de Gontijo era primo do magnata da construção civil de Brasília, José Celso Gontijo, dono da construtora JC Gontijo. O novo dono do triplex também diz ter sido executivo da Via Engenharia até 2001, quando deixou a empresa. Ambas as empresas foram investigadas no escândalo que ficou conhecido como Mensalão do DF, que envolveu o ex-governador José Roberto Arruda. Porém, Gontijo diz que é apolítico.

Deixe seu comentário: