Últimas Notícias > Notícias > Brasil > O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, fez um apelo para que os caminhoneiros voltem ao trabalho

Novo golpe utiliza a Uber para roubar os dados até do seu cartão de crédito

A falsa promoção da Uber visa roubar dados pessoais e financeiros das vítimas. (Foto: Reprodução)

Descontos para a Uber estão por toda a internet atualmente. Não à toa, hackers estão tentando enganar internautas com uma falsa promoção envolvendo a plataforma de transporte privado por aplicativos.

O golpe foi identificado pela Norton, empresa especializada em segurança digital, e promete R$ 100 de crédito para viagens pela Uber. O link tem sido compartilhado principalmente por e-mail no Brasil.

A falsa promoção visa roubar dados pessoais e financeiros das vítimas. Ao clicar no link do golpe, o usuário acaba redirecionado para uma página que pede um cadastro de informações como nome, CPF, telefone e cartão de crédito.

O layout do site tem semelhanças com o da Uber e, após o cadastro ser finalizado, o usuário acaba redirecionado para a página de login da Uber – sem o desconto, claro.

Golpe usando a Uber circula na internet

A dica para evitar cair em golpes do tipo é sempre desconfiar de promoções que parecem muito vantajosas e conferir com a companhia envolvida antes em caso de dúvidas. Apesar de o WhatsApp ser atualmente o principal vetor desses golpes, o e-mail continua uma fonte usada por criminosos.

Dicas para evitar cair em golpes por e-mail:

Remetente: o domínio pode aparentar ser verdadeiro como “@empresa.com”, mas observe se é do endereço utilizado pelo suposto remetente do e-mail;

Destinatários: múltiplos endereços indicam um envio massivo;

Assunto: os e-mails falsos utilizam assuntos que demonstrem urgência para atrais a atenção das vítimas, como pendências de pagamento de serviços populares e atualização ou revisão de uma conta ou serviço;

Links: nunca clique no link sem ter certeza de que o mesmo é confiável;

Conteúdo: erros de ortografia, ofertas muito vantajosas ou a ameaça de que algo ruim vá acontecer caso não sejam seguidas as instruções do e-mail são indícios que ele pode ser falso.

Botão de emergência

A Uber vai lançar uma série de novos procedimentos de segurança e recursos, incluindo um botão na aplicação ligado diretamente aos serviços de emergência dos EUA.

Numa publicação no site oficial, a empresa anunciou: “Estamos a lançar um novo botão de emergência na aplicação que vai comunicar automaticamente a localização do carro a um centro do 911 [número de emergência nos EUA]”.

Outra inovação que a empresa de tecnologia revelou será a funcionalidade que permitirá que os familiares e amigos monitorizem as viagens na Uber. “Adicionamos um recurso que permite que os passageiros partilhem informações da viagem com até cinco contactos confiáveis, por isso haverá vários pares de olhos em cada viagem”, escreveu a empresa.

A Uber enfrentou uma intensa investigação das suas práticas de negócios nos últimos seis meses. Em setembro de 2017, Londres tornou-se a primeira cidade do Reino Unido a recusar a renovação da licença da empresa. A Transport for London concluiu que a empresa não estava em condições de ter uma licença em Londres, dizendo que tomou a decisão com base em “implicações de segurança pública”. York e Brighton, no Reino Unido, seguiram a mesma decisão.

Também em 2017, o governo libanês alertou as pessoas para não usarem a Uber, mas para usar os táxis “tradicionais” depois de um motorista da Uber ser preso pelo assassinato da diplomata britânica Rebecca Dykes.

Na publicação no site, a empresa reconheceu que “manter a confiança do público e recuperar o respeito dos clientes é mais do que novos produtos e políticas. Requer autorreflexão e disposição”.

Além das novas soluções tecnológicas, a Uber está a verificar os antecedentes criminais dos motoristas e respetivos veículos uma vez por ano. A empresa também mudou os procedimentos relativos às alegações de agressão sexual, tendo deixado de exigir arbitragem obrigatória por reclamações individuais de passageiros.

A companhia também já se comprometeu a publicar um “relatório de transparência de segurança” para incluir dados sobre agressões sexuais e outros incidentes.

Deixe seu comentário: