Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Senado finaliza voto dos destaques da PEC Paralela em primeiro turno

Número de aposentados e pensionistas cresce 17,9% em seis anos, superando pela primeira vez a marca de 30 milhões de pessoas

Segundo levantamento do IBGE, número superou pela primeira vez a marca de 30 milhões de pessoas. (Foto: Divulgação)

Pela primeira vez, o número de aposentados e pensionistas superou a marca de 30 milhões de pessoas no país. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, referente a 2018, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística nesta semana.

O país tinha 30,448 milhões de pessoas que receberam alguma renda de aposentadoria ou pensão no ano passado, 17,9% a mais na comparação a 2012 (25,8 milhões). Com esse avanço, 14,6% da população tinha alguma renda fruto de aposentadoria ou pensão no ano passado.

Ao mesmo tempo, o número de pessoas com renda do trabalho cresceu 4,6% de 2012 a 2018, para 90,1 milhões de pessoas. Elas representam 43,4% da população. Trata-se de uma proporção um pouco superior àquela registrada em 2017 (43,1%).

A pesquisa mostra que, em média, as pessoas recebem aposentadoria e pensão de R$ 1.479 por mês. O rendimento médio com o trabalho é de R$ 2.234 mensais. Os ganhos com aluguel e rendimento são, em média, R$ 1.629 por mês. Outros rendimentos somam R$ 582, o que inclui aplicações financeiras.

IBGE aponta crescimento ano após ano

A quantidade de pensionistas e aposentados no Brasil vem crescendo há anos. Em 2017,  um estudo inédito do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada  revelou que a participação de aposentados e pensionistas na população total havia crescido 72,1%, em 23 anos. De acordo com dados da Pesquisa por Amostragem de Domicílios do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 1992 a 2015, a fatia de inativos passou de 8,2% para 14,2%.

Em 1992 havia um beneficiário para cada 12 brasileiros. Já em 2015, essa proporção passou para um aposentado ou pensionista para cada sete brasileiros. De acordo com os dados, os idosos com mais de 80 anos passaram de 10,5% para 13%, entre 1992 e 2015. No período, no caso da idade média dos aposentados, o salto foi de 65,6 anos para 67,9 anos.

Na comparação entre estados, o Rio Grande do Sul foi a região onde houve um maior aumento na parcela de aposentados e pensionista na população. O salto foi de 10,3% em 1992, para 20,4 em 2015. Santa Catarina aparece em segundo com salto de 8% para 18,4% e Rio de Janeiro em terceiro lugar, passando de 11,6% para 16,1% no mesmo período.