Últimas Notícias > Esporte > Pelo jogo de ida das quartas de final da Libertadores, o Inter perdeu por 2 a 0 para o Flamengo no Maracanã

O Brasil e o Paraguai querem a construção de duas novas pontes na fronteira

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes (D), recebeu o chanceler paraguaio, Luis Alberto Castiglioni (E), no Itamaraty. (Foto: Itamaraty/Divulgação)

O chanceler do Paraguai, Luis Alberto Castiglioni, foi recebido nesta terça-feira (11) pelo ministro das Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes, com quem reforçou a vontade política de ambos os governos para a construção de duas novas pontes de fronteira. As informações são da agência de notícias Efe e do Itamaraty.

Essa foi a primeira viagem ao exterior do paraguaio, integrante da equipe do presidente Mario Abdo Benítez, que assumiu o governo no último dia 15.

“Já se passaram 53 anos desde a construção da Ponte da Amizade”, que une ambos os países, e “não se passarão mais de cinco anos para a construção de outras duas pontes”, declarou Castiglioni junto a Nunes.

Segundo Nunes, os países estão atualmente negociando a construção das pontes binacionais sobre o Rio Paraná, ligando a cidade paranaense de Foz de Iguaçu à paraguaia Presidente Franco; e sobre o Rio Paraguai, entre as cidades de Porto Murtinho, em Mato Grosso do Sul, e Carmelo Peralta, do lado paraguaio.

De acordo com os dois governos, as obras darão uma nova dinâmica ao comércio bilateral, que no ano passado chegou a US$ 3,780 bilhões.

Castiglioni ressaltou que escolheu o Brasil para sua primeira viagem oficial como ministro das Relações Exteriores por se tratar de um “país amigo, irmão e aliado” e estrategicamente importante para o Paraguai, tanto em termos bilaterais como regionais.

Aloysio Nunes explicou que ambos concordaram que o Mercosul deve continuar a avançar nas negociações comerciais com outros blocos, como as que mantém com União Europeia (UE), Canadá, Coreia do Sul e Singapura, entre outros países.

Castiglioni enfatizou as conversas com a UE, que se arrastam há duas décadas, e afirmou que chegar a um acordo representa “um desafio, sobretudo em momentos nos quais em alguns lugares se fala em erguer muralhas ao comércio”.

Segundo o chanceler paraguaio, no âmbito do comércio global, o Mercosul “oferece outra visão”, que aponta para a integração “e combate o protecionismo”.

Intercâmbio comercial

Segundo o Itamaraty, o Brasil é o principal parceiro comercial do Paraguai. Em 2017, o intercâmbio comercial foi de US$ 3,78 bilhões. Nos primeiros sete meses de 2018, a corrente de comércio alcançou US$ 2,2 bilhões, o que representa alta de 5,7% em relação ao mesmo período de 2017. O Brasil mantém, ainda, o segundo maior estoque de investimentos diretos no Paraguai, estimado em US$ 697 milhões.

Deixe seu comentário: