Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Para um ministro do Supremo, o Congresso afrontaria o tribunal se mudar a regra de prisão em segunda instância

O Brasil enfrentará problemas pela “irresponsabilidade da imprensa”, diz Bolsonaro

"A imprensa está cometendo um suicídio", declarou o presidente do Brasil. (Foto: Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (22) que o Brasil vai enfrentar problemas pelo que chamou de “irresponsabilidade da imprensa”. Bolsonaro deu a declaração em meio a uma entrevista na qual demonstrou irritação diante da repercussão de uma fala sua, um dia antes, segundo a qual as queimadas poderiam ser ação criminosa de “ongueiros” para chamar a atenção contra o governo.

“O Brasil vai chegar à situação da Venezuela. É isso que grande parte da grande imprensa brasileira quer. E fica o tempo todo de picuinha, fazendo campanha contra o Brasil. Vocês acham, se o mundo lá fora começar a impor barreiras comerciais nossas, cai o nosso agronegócio, cai a economia”, disse Bolsonaro.

Ao falar com repórteres, ele mandou um recado para as chefias das redações, dizendo que os editores dos jornais e donos de televisões também terão a vida complicada, como a de todos os brasileiros. “A imprensa está cometendo um suicídio. Estamos em uma nova era. Assim como acabou no passado o datilógrafo, a imprensa está acabando. Não é só por questão de poder aquisitivo do povo que não está bom. É porque não se acha verdade ali.”

Ainda nesta quinta-feira, Bolsonaro afirmou que o jornal Valor Econômico, controlado pelo Grupo Globo, vai fechar. “O jornal Valor Econômico, que é da Globo, vai fechar. Não devia falar? Não devia falar, mas qual é o problema? Será que eu vou ser um presidente politicamente correto?”, disse Bolsonaro durante café da manhã com representantes da Acaert (Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão).

O encontro ocorreu no segundo andar do Palácio do Planalto, e o discurso de Bolsonaro foi transmitido nas suas redes sociais. As declarações do presidente foram feitas no contexto da medida provisória, assinada por ele no início deste mês, que permite a empresas de capital aberto a publicação de balanços no site da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) ou do Diário Oficial, em vez de em veículos impressos. Bolsonaro afirmou que existe uma briga com a grande mídia e acusou a imprensa de “deturpar” suas falas.

“Há uma briga também com a mídia tradicional, com a grande mídia, na questão de deturpar. Ontem [quarta] eu tive saco de ouvir um pouco a GloboNews, falando sobre queimada da Amazônia. Duas senhoras ali que, pelo amor de Deus, só falam abobrinha o tempo todo. Entendem de tudo, tudo. Lula e Dilma não tinham defeito nenhum, zero defeito. É lógico, estava lá dinheirinho na conta [inaudível] do governo”, afirmou.