Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A Procuradoria-Geral da República pediu que a Polícia Federal abra um inquérito para investigar o vídeo com ofensas à presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Rosa Weber

O Facebook pode banir as empresas que fazem propaganda enganosa na rede social

Os anunciantes terão a chance de melhorar antes que sejam tomadas outras medidas. (Foto: Reprodução)

A rede social de Mark Zuckerberg acaba de revelar uma nova medida para melhorar a qualidade dos anúncios na plataforma. A ideia é penalizar empresas cujas páginas deturpem as informações dos produtos que estão vendendo, fazendo aquela fatídica propaganda enganosa aos usuários.

Quem fornece informações dúbias e até mesmo falsas, além de fornecer tempos de envio do produto imprecisos, está na mira do banimento. O Facebook fez uma pesquisa e descobriu que essas são as duas maiores frustrações dos usuários em relação a produtos que compraram a partir de anúncios na rede social.

Então, uma nova ferramenta, que foi lançada em todo o mundo, permite que as pessoas avaliem as empresas das quais compraram itens. Se uma empresa receber muito feedback negativo, o Facebook informará a tal empresa, com sugestões de como melhorar seus anúncios. Caso as avaliações negativas persistam, a rede social tomará medidas contra a empresa, o que inclui a redução do número de anúncios permitido para ela e, caso a companhia siga insistindo em fazer propaganda enganosa, ela pode ser proibida de continuar seu negócio pelo Facebook.

Então, nós, usuários da plataforma, já podemos avaliar as empresas por conta de seus produtos anunciados no Facebook. Basta abrir a página Atividade de Anúncios para conferir as publicidades em que você clicou, deixando um feedback com a sua experiência.

Novos controles

O Facebook está instalando novos controles para informar melhor seus membros sobre o modo como as empresas os estão abordando com publicidade, no mais recente passo para conter o clamor público sobre o mau uso dos dados de usuários.

A partir de 2 de julho, o Facebook exigirá pela primeira vez que os anunciantes informem seus usuários se os chamados data brokers forneceram informações que os levaram a ser abordados com um anúncio.

Data brokers são empresas que coletam informações pessoais sobre consumidores e as vendem para profissionais de marketing e outros negócios.

O Facebook também criou novos procedimentos para tratamento de nomes de clientes potenciais fornecidos por data brokers. Os anunciantes que quiserem fazer upload de listas dessas propagandas na plataforma do Facebook terão primeiro que prometer que o fornecedor de dados obteve qualquer consentimento legalmente exigido desses consumidores.

O Facebook diz que as novas políticas criarão mais transparência para os usuários e exigirão mais responsabilidade dos anunciantes.

“Não estamos assumindo uma posição sobre se os dados de terceiros são inerentemente bons ou ruins”, disse Graham Mudd, diretor de marketing de produto do Facebook. “Estamos assumindo uma posição sobre a importância de ter o direito de usar os dados e para que eles tenham sido adquiridos com responsabilidade”.

As novas políticas são o segundo grande empurrão do Facebook neste ano para reforçar a política em relação aos data brokers.

Em 28 de março, o Facebook passou a banir os data brokers de sua plataforma como parte dos esforços para melhorar sua imagem. Mas a empresa rapidamente suavizou sua postura depois que grandes profissionais de marketing ameaçaram retirar seus anúncios do Facebook, de acordo com três pessoas familiarizadas com a decisão.

Os anunciantes disseram que as restrições aos data brokers prejudicariam sua capacidade de direcionar seus anúncios para clientes com maior probabilidade de comprar seus produtos.

Deixe seu comentário: