Últimas Notícias > CAD1 > Os passageiros do voo comercial mais longo do mundo serão monitorados durante 21 dias

Autores de feminicídios e outros crimes contra as mulheres foram alvo de uma operação da Polícia Civil em 25 cidades gaúchas

A força-tarefa prendeu 22 homens, cinco deles por assassinatos de mulheres. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Tendo como foco crimes graves como feminicídio, cárcere privado e descumprimento de medidas protetivas, na manhã dessa sexta-feira a Polícia Civil gaúcha deflagrou a Operação Flores de Aço, em 25 municípios do Rio Grande do Sul. Ao todo, foram cumpridos 22 mandados de prisão (quatro em flagrante e 18 em caráter preventivo) e apreendidas oito armas-de-fogo. Também foram verificadas 38 medidas protetivas de urgência.

A diretora da Divisão de Proteção e Atendimento à Mulher, Tatiana Bastos, destacou que esse tipo de ofensiva é fundamental, até por proporcionar grande visibilidade aos temas que envolvem a violência doméstica e outras formas de agressão contra pessoas do sexo feminino.

“Trata-se de algo extremamente perverso e que ocorre geralmente dentro de casa e na presença dos filhos”, frisou a delegada, mencionando que cinco dos homens presos pela força-tarefa são autores de feminicídio. Ela citou, ainda, o dado estatístico de que a cada dia pelo 15 mulheres são mortas em incidentes desse tipo em todo o Brasil. E há um consenso, entre especialistas e autoridades, de que esse número deve ser bem maior.

Segundo a chefe de Polícia, delegada Nadine Anflor, mais de 70% das mulheres que acabaram sendo vítimas de feminicídio não registraram ocorrências anteriores ao crime. “Os primeiros sinais de violência precisam ser denunciados, para prevenir a ocorrência de crimes mais graves”, ressaltou.

Cerca de 250 agentes participaram das ações. As atividades foram coordenadas pela Dipam (Divisão de Proteção e Atendimento à Mulher) e DPGV (Departamento Estadual de Proteção aos Grupos Vulneráveis), em colaboração com as 22 delegacias especializadas no atendimento à mulher em todo o Estado.

Assaltos a coletivos

Também nessa sexta-feira, a DRTC (Delegacia de Polícia Especializada de Repressão aos Roubos em Transporte Coletivo) efetuou em Porto Alegre a sua primeira prisão desde a inauguração da sede da entidade, na tarde anterior, no bairro Menino Deus.

Sob a coordenação do delegado Daniel Mendelski, agentes capturaram no bairro Medianeira um homem de 35 anos que era investigado por assaltos a ônibus e lotações na Zona Sul da Capital. Ele também estava na mira da Polícia Civil pela autoria de uma tentativa de latrocínio, duas semanas antes. No momento da abordagem, o criminoso dirigia um carro em situação irregular.

“A prisão desse indivíduo demandou um trabalho de inteligência policial para sua localização, uma vez que se trata de criminoso em fuga há cerca de dois anos, acostumado a inibir as ações policiais destinadas à sua captura”, declarou Mendelski.

De acordo com a SSP (Secretaria da Segurança Pública) do Rio Grande do Sul, em janeiro e fevereiro de 2018 foram notificados 133 assaltos dentro de ônibus ou lotações na Capital. Isso representa uma média de aproximadamente dois por dia.

A nova delegacia foi instalada na avenida Getúlio Vargas nº 1.250, dentro do complexo da Secretaria da Agricultura (na longa quadra entre as ruas Botafogo e Saldanha Marinho). A equipe atua durante o horário comercial, mas há um plantão 24 horas. As ocorrências também podem ser feitas na internet, por meio do site www.pc.rs.gov.br.

(Marcello Campos)