Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Nova fase da Operação Lava-Jato mira multinacional e bloqueia quase R$ 2 bilhões dos investigados

O Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, utilizou pela primeira vez um equipamento robótico em uma cirurgia para retirada de tumor no ovário

Conforme a instituição, a tecnologia proporciona uma série de vantagens. (Foto: Divulgação/HMV)

O HMV (Hospital Moinhos de Vento), em Porto Alegre, realizou uma cirurgia de retirada de tumor benigno no ovário, contando pela primeira vez na instituição com o auxílio de um equipamento robótico. Executado por poucos médicos no mundo em função de sua alta complexidade, o procedimento envolveu uma paciente de 45 anos.

Ela foi atendida pela equipe do ginecologista e obstetra Marcos Wengrover Rosa. Os cirurgiões Mauro Weiss, Jose Antonio Perrone, Raquel Dibi e Cláudio Crispi integraram o grupo. “A cirurgia robótica proporciona maior segurança ao paciente quando comparada a uma operação comum, em virtude de todos os mecanismos que envolvem o robô”, ressaltou Wengrover.

De acordo com o especialista, o pós-operatório também traz menos dor e reduz o uso de medicações analgésicas, agilizando a alta hospitalar. “Nesses casos, a pessoa pode estar em casa já no dia seguinte.”

Investimento

“Em linha com alguns dos principais centros globais de saúde, o Moinhos de Vento tem apostado na cirurgia robótica para melhorar a experiência de seus pacientes”, ressalta a instituição. “Com a tecnologia, adquirida, no ano passado, mais de 200 procedimentos já foram realizados no hospital – muitos deles em tratamentos urológicos.”

Ainda conforme o HMV, a redução do tempo no bloco cirúrgico e de internação é um dos benefícios desse tipo de operação. O uso dos robôs também garante cortes menores e sangramentos mais controlados, graças ao seu alto nível de segurança e precisão.

Incidência

O tumor no ovário afeta o sistema reprodutor feminino e é a segunda neoplasia ginecológica mais comum. Em casos malignos, pode evoluir para um tipo letal câncer. A cirurgia para sua retirada é complexa e a recuperação costuma ser mais lenta. Mas o uso da tecnologia tem ajudado pacientes e médicos.

(Marcello Campos)