Últimas Notícias > Colunistas > Armando Burd > Calendário se move

O médico que “surtou” em um posto de saúde reapareceu no seu local de trabalho, alegando não saber que está suspenso. Ele será intimado pela polícia a prestar depoimento

Aurédio atua há 47 anos e ajudou na construção da unidade de saúde. (Foto: Reprodução)

O médico Aurédio José do Couto, 71 anos, que teve um surto em uma unidade de saúde de Cariacica, no Espírito Santo, voltou ao seu local de trabalho na manhã dessa quarta-feira. De acordo com a prefeitura, no entanto, ele está suspenso até que o incidente seja apurado.

Já Aurédio, em entrevista à imprensa local, alegou ter se dirigido ao local para trabalhar normalmente, pois não sabia da suspensão. Por volta das 9h, ele estava procurando uma sala para começar os atendimentos. A Secretaria da Saúde foi procurada pelos repórteres, mas não se posicionou sobre o assunto.

Incidente

O surto aconteceu na terça-feira e foi gravado por um paciente que aguardava a consulta. Aurédio derrubou móveis e jogou documentos no chão da unidade de saúde, localizada no bairro Jardim América. De acordo com a Polícia Civil, foram quebradas duas cadeiras de plástico e duas gavetas. O delegado André Luiz Landeira disse que o caso configura dano contra o patrimônio público e o médico será intimado a depor.

A secretária municipal de Saúde, Stéfane Legran, disse que o gatilho para o suposto surto do servidor está sendo apurado. No mesmo dia da confusão, ela declarou que o médico vai ficar suspenso até que os fatos sejam esclarecidos. A princípio, o médico estaria insatisfeito com as instalações da unidade, que passa por reformas.

“Com o passar dos anos, a oferta de serviço foi aumentando cada vez mais. Essa unidade passa por um momento de reforma. Uma pessoa nessa idade, acostumada com a rotina, teve um descontentamento”, disse.

Conforme verificado pela imprensa capixaba, a sala em que o médico atendia nos últimos dias estava sem energia elétrica e com equipamentos sucateados. Aurédio, então, foi remanejado para outra sala, que ficava ao lado de uma obra.

Ele atua há 47 anos no serviço de saúde municipal e ajudou na construção do local. Segundo o Sindicato dos Médicos, ele chegou a atender até na cozinha da unidade. Questionada, a prefeitura respondeu que não tem conhecimento do fato.

Precariedade

O presidente do Simes (Sindicato dos Médicos do Espírito Santo), Otto Baptista, afirmou que na unidade de saúde não está adequada para atender dignamente a população.

“O que aconteceu em Cariacica é um espelho do que vem acontecendo de Norte a Sul do estado, uma carência nas unidades básicas dos municípios. A gente não enxerga que ele depredou o patrimônio. Foi um desabafo”, declarou Otto.

Deixe seu comentário: