Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Nova fase da Operação Lava-Jato mira multinacional e bloqueia quase R$ 2 bilhões dos investigados

O ministro gaúcho Osmar Terra cancelou a exoneração de servidores da Funarte

O ministro Osmar Terra voltou atrás. (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, voltou atrás da exoneração de 19 servidores do Ceacen (Centro de Artes Cênicas) da Funarte, que é comandado pelo diretor Roberto Alvim. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (9).

Na semana passada, o corte abrupto nos funcionários da pasta pegou Alvim de surpresa e causou espanto também no Presidente da Funarte, Miguel Proença. A nova portaria publicada por Terra torna sem efeito as exonerações de coordenadores, gerentes, subgerentes e cargos comissionados.

Na segunda-feira (8), onze deputados, entre eles Áurea Carolina (PSOL-MG), David Miranda (PSOL-RJ), Túlio Gadêlha (PDT-PE) e Benedita da Silva (PT-RJ), entraram com uma representação no Ministério Público Federal contra o ministro Osmar Terra.

No texto, os parlamentares pedem a instauração de um inquérito civil ou criminal e cobram explicações sobre a legalidade das exonerações. Eles pedem ainda que o órgão investigue se as ações do ministro configuram perseguições políticas e ideológicas.

Procurado, Roberto Alvim afirmou apenas que o episódio foi “um mal-entendido” e que “agora os trabalhos voltarão a normalidade na Funarte”. Na semana passada, após saber das exonerações, ele havia dito que ia “ter a oportunidade de reformular a equipe, com pessoas leais ao governo”.

Os servidores – que agora retomam os postos – são subordinados ao diretor do Ceacen, Roberto Alvim, que recentemente atacou com ofensas a atriz Fernanda Montenegro. Alvim chamou Fernanda de “mentirosa” e “sórdida” em uma postagem no Facebook, o que provocou a reação da classe artística em defesa da atriz.

Sua postagem, com palavras destacadas em letras maiúsculas, diz o seguinte: “Um amigo meu, bem-intencionado, me perguntou hoje se não era hora de mudar de estratégia e chamar a classe artística pra dialogar. Não, absolutamente não. Trata-se de uma guerra irrevogável. A foto da sórdida Fernanda Montenegro como bruxa sendo queimada em fogueira de livros, publicada hoje na capa de uma revista esquerdista, mostra muito bem a canalhice abissal destas pessoas, assim como demonstra a SEPARAÇÃO entre eles e o povo brasileiro. Temos, sim, que promover uma RENOVAÇÃO completa da classe teatral brasileira. É o ÚNICO jeito de criarmos um RENASCIMENTO da Arte no Teatro nacional. Porque a classe teatral que aí está é radicalmente PODRE. E com gente hipócrita e canalha como eles, que mentem diariamente, deturpando os valores mais nobres de nossa civilização, propagando suas nefastas agendas progressistas, denegrindo nossa sagrada herança judaico-cristã, bom – com essa corja.”