Quinta-feira, 05 de Dezembro de 2019

Porto Alegre
Porto Alegre
25°
Partly Cloudy

Brasil O Movimento Brasil Livre se arrependeu de ter apoiado o brasileiro preso na Venezuela

Jonatan em meio a crianças durante trabalho de caridade que realizou na Venezuela. (Foto: Reprodução)

O MBL (Movimento Brasil Livre) acusou o brasileiro Jonatan Moisés Diniz, preso durante 11 dias na Venezuela, de utilizar práticas desonestas semelhantes às do governo de Nicolás Maduro, a quem acusa de “levar as crianças venezuelanas à mais pura miséria”.

A crítica foi feita em uma nota na internet depois da divulgação do vídeo em que o catarinense revela ter premeditado sua detenção para chamar atenção para a causa defendida por sua ONG, a Time to Change the Earth (“Hora de mudar a Terra”, em tradução livre).

“Jonatan aparece na Califórnia, e sua postura arrogante e triunfalista se assemelha a de um psicopata”, diz o texto do MBL. “Percebe-se que Jonatan não sabe o que fala, tampouco o que faz. Que padece de um egoísmo doentio e, aparentemente, de profunda desonestidade”, acusa o Movimento.

Até o momento, a mensagem teve mais de 2,5 mil interações no Facebook, com a grande maioria dos internautas defendendo o MBL e criticando a tática adotada por Diniz. O Estado de S.Paulo pediu que Diniz comentasse as críticas do MBL, mas ainda não obteve retorno.

“O Movimento Brasil Livre  vem por meio desta pedir desculpas para seus seguidores por tê-los envolvido na campanha para libertar um charlatão desonesto que envergonha o País”, prossegue o grupo. “E lamenta, também, pelo incansável trabalho de seus ativistas que batalharam durante o Natal e o ano novo divulgando a arbitrariedade cometida pela ditadura de Maduro.”

Em outra publicação, do dia 3, o MBL tinha comparado o caso de Diniz com o do brasileiro Rodrigo Gularte, executado em abril de 2015 pela Indonésia depois de ser preso no país com 6 quilos de cocaína. Na mensagem, o movimento alegou que o governo e a imprensa tinham se mobilizado no caso de Gularte, mas não tinham agido em relação à prisão Diniz.

Por fim, os ativistas dizem que apesar de o caso mostrar o que consideram “o que há de pior no ser humano”, também despertou “o que há de melhor em milhões de brasileiros”, ao se referirem à onda de solidariedade que a prisão de Diniz promoveu nas redes sociais.

A prisão

Jonatan foi preso em 27 de dezembro na Venezuela e libertado no dia 6. Ele foi capturado pelo Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência, a polícia política da ditadura de Nicolás Maduro) e estava na prisão da sede da agência, em Caracas, conhecida por abrigar opositores ao regime.

O brasileiro havia sido encarcerado sob a acusação de pertencer a uma organização criminosa com outros três venezuelanos no Estado de Vargas, no Norte do país. A prisão foi anunciada pelo número dois do chavismo, Diosdado Cabello. O Brasil só havia sido informado pelas autoridades venezuelanas sobre o paradeiro de Diniz no dia 5, quando então intensificou sua ação junto ao regime chavista.

Todas de Brasil

Compartilhe esta notícia:

A Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul repassou mais de 50 milhões de reais para 169 hospitais
A Operação Lava-Jato, no Paraná, deverá receber mais 53 inquéritos do Supremo
Deixe seu comentário
Pode te interessar