Últimas Notícias > Notícias > Geral > Brasil perde R$ 193 bilhões para o mercado ilegal.Esse valor é a soma das perdas registradas por 13 setores industriais e a estimativa dos impostos que deixaram de ser arrecadados em função desse crime

O novo jipe da Volvo freia sozinho e evita barbeiragem

Vovo XC40 na versão T5 Momentum, que custa R$ 195 mil no mercado nacional. (Foto: Reprodução)

Quem deseja comprar um Volvo XC40 precisa ter um pouco de paciência. Unidades adquiridas no começo de julho serão entregues em agosto ou setembro, a depender da versão.

A montadora até gostaria de trazer mais carros para o Brasil, mas a fábrica de Ghent, na Bélgica, não dá conta da demanda. O utilitário é um sucesso global.

Segundo Luiz Rezende, presidente da Volvo Cars no Brasil, o lançamento fará a empresa sair do patamar de 4.000 importados vendidos por ano para chegar aos 6.000.

Para descobrir se vale a pena entrar na fila de espera pelo jipe de luxo, o XC40 passa pelo teste Folha-Mauá.

O carro, cedido pela Volvo na versão intermediária T5 Momentum (R$ 195 mil), tem 4,42 metros de comprimento. É o menor utilitário da linha Volvo, que oferece também os modelos XC60 e XC90.

O motor 2.0 turbo de 255 cavalos coloca o novo SUV entre os mais rápidos de seu segmento. Ao cravar 7,1 segundos na aceleração de 0 km/h a 100 km/h, o modelo de origem sueca foi meio segundo mais rápido que o BMW X1 xDrive25i (R$ 233 mil).

Há bom espaço para ocupantes e suas bagagens, acomodadas em um porta-malas que oferece 460 litros de capacidade.

O câmbio é automático, com oito velocidades. A versão mais cara chama-se R-Design (R$ 215 mil) e tem borboletas instaladas atrás do volante, que permitem trocas manuais das marchas.

O XC40 tem tração nas quatro rodas, rodando a maior parte do tempo com 90% de força concentrada na dianteira e 10% na traseira.

Conforme a necessidade, a tração se ajusta automaticamente, até chegar a 50% em cada eixo. O recurso ajuda a superar terrenos acidentados e auxilia na estabilidade em trechos rodoviários.

O bom comportamento em trechos sinuosos disfarça a altura da carroceria. Em caso de barbeiragem, controles eletrônicos se esforçam para recolocar o carro na trajetória.

Se o trânsito adiante parar repentinamente e o motorista estiver distraído, sensores detectam o perigo e acionam os freios. Essa situação foi vivenciada em uma avenida movimentada de São Paulo.

O XC40 emitiu sinais luminosos e um apito assustador, mas começou a reduzir a velocidade enquanto o condutor ainda se preparava para pisar fundo no freio. Tudo aconteceu em frações de segundo.

O recurso não é exclusividade da linha Volvo. Modelos Volkswagen, Nissan e Ford também oferecem esse item como opcional em alguns de seus automóveis.

Itens de segurança somam pontos nas avaliações de proteção aos ocupantes. O XC40 obteve nota máxima no crash test promovido pela Euro NCAP, entidade que avalia a segurança dos carros.

Outro item de segurança do Volvo é o sistema que lê placas de velocidade, desde que estejam bem conservadas. A informação é exibida no painel, para evitar que o motorista exceda os limites.

O problema nesse caso são as variações abruptas de velocidade nas ruas de São Paulo, com sinalização nem sempre visível. É melhor confiar nas orientações dos aplicativos de navegação de smartphones.

Tantos recursos são essenciais em tempos de carros repletos de recursos que distraem o motorista.

O sistema multimídia do XC40 parece um tablet. As funções são alternadas com toques na tela. Funções de som, navegação e ar-condicionado dividem o mesmo espaço.

Um botão permite modificar o modo de condução do carro, privilegiando o desempenho ou a economia. O Volvo fez a média de 13,1 km/l na estrada, inferior aos 14,1 km/l registrados pelo BMW X1 na mesma condição.

Com preço parelho ou menor que o cobrado por concorrentes de mesmo porte e bons resultados em desempenho e segurança, o Volvo é uma opção interessante. Seu problema é o baixo volume de importações para o Brasil.