Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A revitalização do SUS, responsável pelo atendimento médico de 75% da população brasileira, está entre os principais desafios do próximo presidente da República

O número de estudantes brasileiros morando em Portugal cresceu 540% desde 2005

Já sendo maioria entre os estrangeiros em terras lusitanas, Brasil recebe novas ofertas. (Foto: Reprodução)

A carioca Giulia Alves, de 19 anos, sempre sonhou em estudar em Portugal. O que ela não sabia é que a sua viagem começaria na Cidade da Música, no Rio, onde recebeu, em uma feira para promover o ensino das universidades portuguesas, em maio, um panfleto sobre estudar de graça durante o verão no Algarve. Foi a passagem dela para Faro, onde cursa o Summer Campus da UAlg (Universidade do Algarve), um programa criado especialmente para captar estudantes brasileiros. Giulia é mais uma num êxodo que transformou os brasileiros em maioria entre os alunos estrangeiros em universidades portuguesas nos últimos anos. Dos 1.900 em 2005, agora já são cerca de 12.200.

Se tivesse que pagar do seu bolso a mensalidade, passagens e hospedagem para frequentar as aulas de verão na UAlg, em Faro, a universitária carioca confessa que “não dava”. Moradora da Zona Oeste, ela está está no grupo de sete cariocas selecionados entre centenas de candidatos para conhecer a universidade. Foi fisgada de primeira.

“Foi ótimo poder conhecer tudo de graça. Uma chance rara. Moro entre a Barra e Jacarepaguá e achei Faro muito semelhante, com um clima legal. É uma cidade universitária, com muitos jovens, praia, bares e uma vida ‘pop’. Eu viveria e estudaria aqui, com certeza”, disse Giulia.

De 2014 até este ano, aumentou de 240 para 700 o número de brasileiros matriculados na UAlg. E a tendência é que a instituição ganhe algumas posições no ranking de preferências de brasileiros este ano.

“Eu queria ver como é. Agora que já sei, vou tentar cursar Relações Internacionais aqui. Se não conseguir direto, vou pedir intercâmbio pela universidade que entrar no Brasil ou fazer mestrado e doutorado na UAlg. Só teria que dividir a moradia, para ficar mais em conta. Ainda assim, é mais barato que no Brasil”, planeja Giulia.

Agora maioria entre universitários expatriados em Portugal, os brasileiros pagam um preço por isto. Ainda que sejam mais baratas que no Brasil, as mensalidades das universidades são mais caras para quem não é da União Europeia. Além disso, a especulação imobiliária, causada em parte pelo aumento da demanda educacional, elevou o preço dos aluguéis e até mesmo dos quartos, que podem custar mais de € 700 no Porto, Lisboa e Faro no início do ano letivo, no segundo semestre.

No ano acadêmico de 2005-2006, 1.907 brasileiros cursavam o ensino superior em Portugal. Uma década depois, o número saltou para 12.245 alunos, uma variação de mais de 540%. Dados e estudos oficiais das instituições de pesquisas portuguesas comprovaram que o aumento da imigração de alunos brasileiros é uma tendência sem fim estabelecido, impulsionada pela concessão de bolsas, crescimento do número de imigrantes, que formam a maior colônia (85.426), e, recentemente, pelo acesso a 34 universidades através da nota obtida no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

No primeiro semestre de 2017, a procura por vistos de estudante no Consulado de Portugal em São Paulo aumentou 148% em relação ao mesmo período de 2016. Ao todo, entraram 42.564 estudantes estrangeiros em Portugal em 2016-2017, 12% a mais que no último ano acadêmico.

Aluguéis

A disputa pelos alunos é grande e por isso há programas como o Summer Campus, da UAlg. Já as universidades do Porto e de Lisboa anunciaram como atrativos mais investimentos para a expansão de alojamentos e residências num momento em que praticamente não há mais apartamentos e quartos baratos para alugar nas duas maiores cidades.

“Através deste curso, a UAlg mostrou aquilo que faz ao público alvo que considera mais importante. Conseguimos mostrar a eles o que podem ter em seu futuro como estudante aqui no Algarve. Nosso objetivo é ter um maior número de brasileiros”, disse o reitor da UAlg, Paulo Águas.

O relatório deste ano do Uniplaces revelou que os universitários estrangeiros foram responsáveis por 82% das reservas de aluguéis de imóveis na plataforma on-line voltada para alunos, sendo 15% brasileiros. Nos últimos dias, era possível alugar através do site um apartamento de um quarto no bem localizado bairro de Santo Ildefonso, no Porto, por € 1 mil. Apenas a vaga num quarto estava entre € 250 e € 500. Em Lisboa, um apartamento de um quarto perto do Castelo de São Jorge ou próximo à estação de Santa Apolônia era anunciado por € 1 mil. A situação é um pouco melhor em certas cidades do Algarve, onde apartamentos de um quarto podem custar a partir de € 600. Mas os preços aumentam quando o ano letivo está para começar.

 

Deixe seu comentário: