Últimas Notícias > CAD1 > Focado no Veranópolis, o Grêmio realizou um treino técnico intenso

O preço do minério de ferro subiu na China com receios por rompimento de barragem no Brasil

Na semana passada, o governo brasileiro ordenou que a Vale parasse de usar oito barragens de resíduos. (Foto: Divulgação/Agência Pará)

O mercado futuro de minério de ferro na China subiu para um recorde nesta segunda-feira (11), após uma semana de feriado nacional, com preocupações de que o fornecimento do Brasil, o segundo maior fornecedor de minério mundial, caia após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG).

Os futuros do minério de ferro mais ativos para entrega em maio na Bolsa de Dalian subiram para o seu limite diário de negociação quando o mercado abriu, atingindo o recorde de 652 iuanes (US$ 96,26) por tonelada.

Os contratos para entrega em março, julho, setembro e novembro também subiram para o seu limite diário durante o início do pregão nesta segunda-feira.

“A alta dos preços hoje é impulsionada tanto pelo hiato de oferta real quanto pelo sentimento especulativo dos investidores”, disse um operador de minério de ferro de Xangai.

Força maior

Na semana passada, o governo brasileiro ordenou que a Vale parasse de usar oito barragens de resíduos, depois que uma represa se rompeu em 25 de janeiro em sua mina Córrego do Feijão, deixando centenas de mortos e desaparecidos.

Os fechamentos afetarão 9% da produção anual de minério de ferro da empresa e levaram a Vale a declarar força maior, uma decisão legal que significa que a empresa não pode cumprir seus contratos devido a circunstâncias imprevistas.

Os preços do vergalhão de aço na Bolsa de Futuros de Xangai também subiram nesta segunda-feira (11), ganhando mais de 4%, com os comerciantes esperando escassez nos próximos meses. Os preços fecharam com ganhos de 2,4%, a 3.825 iuanes por tonelada.

Desde o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, muito se fala em minério de ferro, rejeitos, barragem. Veja o que significam esses termos e como funciona a Vale.

O que é minério de ferro? 

O minério de ferro é a matéria-prima para a fabricação do aço, base de diversas indústrias, como a de carros e eletrodomésticos, e também da construção civil. Ele é um conjunto de materiais rico no elemento químico ferro e é encontrado em rochas. Quando o extraem da natureza, as mineradoras separam o minério do material sem valor comercial: esse processo é chamado de beneficiamento.

O que é rejeito de mineração?

O rejeito de mineração é o que sobra quando se usa água para separar o minério de ferro do material que não tem valor comercial. É o jeito mais barato de fazer o beneficiamento (essa separação). Em geral, esse rejeito é composto por minérios pobres (com baixa concentração de ferro) e areia, além da água – daí o aspecto de lama. Já existem processos de beneficiamento mais modernos, que não utilizam água.

O que é uma barragem de rejeitos?

Os rejeitos de mineração precisam ser depositados em algum lugar. A barragem de contenção é a estrutura mais usada para armazenar esse material. É o método mais antigo, simples e barato. Funciona assim: um dique (feito a partir de solo compactado, blocos de rocha ou do próprio rejeito) é construído para barrar a lama e, à medida que o reservatório vai enchendo, novas camadas de barragem são construídas (processo chamado de alteamento).

Alguns processos de beneficiamento mais modernos não utilizam água e, consequentemente, não necessitam de barragem de rejeitos. A barragem de rejeitos da Vale que se rompeu em Brumadinho usava o método de alteamento a montante. Nesse sistema, quando a barragem fica cheia, ela vai sendo elevada por meio de degraus construídos sobre o dique (ou barreira de contenção) inicial.

É o método mais simples e mais barato e, por isso, bastante comum, mas é considerado menos seguro e mais propenso a acidentes. É o mesmo usado na barragem da Samarco que estourou em Mariana, em 2015. A Vale é uma das donas da Samarco e também responde na Justiça por aquela tragédia. A barragem de Brumadinho estava inativa e não recebia rejeitos há três anos.

Deixe seu comentário: