Últimas Notícias > Esporte > Odair Hellmann comandou um treino fechado no Beira-Rio antes do Grenal deste sábado

O presidente da Câmara dos Deputados diz que as prisões não afetam a reforma da Previdência e minimiza a crise com a reforma de militares

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), negou nesta quinta-feira (21) que as prisões do ex-presidente Michel Temer e do ex-ministro Moreira Franco afetem a tramitação da reforma da Previdência. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Temor de que o sentimento de antipolítica pudesse contaminar o ambiente de votação no plenário e dificultar a votação fez com que a Bolsa caísse durante esta quinta.

Maia também minimizou as críticas feitas por parlamentares do partido do próprio presidente, o PSL, à proposta de reforma da aposentadoria dos militares, que incluiu uma reestruturação das carreiras das Forças Armadas. “Acredito que o presidente vai conseguir organizar sua base”, afirmou Maia.

Hoje, lideranças do Congresso afirmam que apenas o PSL pode ser considerado base do governo. O líder da bancada de 54 deputados, Delegado Waldir (GO), porém, falou contra a articulação do Planalto pela aprovação da proposta de emenda constitucional.

Para a aprovação da PEC, são necessários 308 votos favoráveis, em dois turnos. Maia coloca panos quentes na discussão entre os Poderes depois de ironizar a interferência do Executivo no Congresso na noite de quarta-feira (20).

“Eu acho engraçado. Quando dizem que o Parlamento quer indicar alguém no governo é toma lá da cá. Quando eles querem indicar relator aqui e interferir no processo legislativo não é toma la da cá?”, afirmou, demonstrando irritação ao chegar ao Congresso.

Nesta quinta-feira, Maia falou com Bolsonaro ao telefone, da residência oficial. Parlamentares de partidos que defendem a aprovação de uma reforma veem com apreensão os movimentos de integrantes do governo Bolsonaro de se indispor com Maia, já que o presidente da Casa é considerado o principal fiador da proposta no Congresso.

Sem surpresa

A prisão do ex-presidente Michel Temer não causou surpresa ao entorno do presidente Jair Bolsonaro, mas criou o receio de que, ao ocorrer neste momento, possa impactar na tramitação da reforma previdenciária e do pacote anticrime, considerados prioridades da atual gestão.

Nas palavras de um assessor presidencial, a prisão era uma “questão de tempo”, mas não favorece o Palácio do Planalto ao agravar o desgaste na relação entre o Judiciário e o Legislativo, que têm protagonizado uma queda de braço nas últimas semanas.

O temor é que a medida seja interpretada por líderes partidários como um ataque ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que teve o sogro, o ex-ministro da Secretaria-Geral Moreira Franco, também preso pela Polícia Federal.

Deixe seu comentário: