Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Têm direito ao benefício do INSS mulher com 60 anos de idade e 30 anos de contribuição e homem com 65 anos de vida e 35 anos de recolhimento previdenciário

O presidente da Venezuela cantou e dançou em sua campanha para a reeleição

Maduro incorporou artistas nacionais à sua campanha. (Foto: Reprodução)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, que concorrerá à reeleição no próximo domingo (20), se valeu da música para fazer campanha e, além de dançar salsas e boleros diante de multidões, também decidiu cantar, e tudo isto na companhia de jovens artistas de todos os gêneros.

Cada comício que realizou – pelo menos três por dia de campanha – começou com os acordes musicais de alguma das canções de propaganda interpretada por um grupo de cantores que também dançam, para em seguida Maduro aparecer dançando e rindo enquanto o público aplaudia e gritava. Nesta campanha, ao contrário da anterior de 2013, Maduro incorporou o bolero, especialmente “Piel Canela”, mítica canção dos anos 1950.

“Para este homem que está parado aqui a única coisa que importa é a felicidade. Por isso a canção me parece perfeita, vamos cantá-la, vamos dançá-la, todos porque a revolução ‘le importas tu, y tu y solamente tu'”, canta Maduro recitando a letra do porto-riquenho Bobby Capó.

A primeira-dama, Cilia Flores, sai então dos bastidores para acompanhar seu marido que exibe alguns passos de dança para animar seus partidários, em uma cena que se repetiu ao longo da campanha.

O líder da chamada “revolução bolivariana” também já brincou em público ao afirmar que é alvo da inveja do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, com quem mantém grandes divergências, porque ele não sabe dançar. Maduro incorporou conhecidos artistas nacionais à sua campanha, como já havia feito nas primeiras eleições presidenciais que disputou, um grupo de cantores que o acompanha por todos os Estados do país.

Momento crítico

Tudo isto acontece com os frequentes esbanjamentos de recursos pelos governistas, apesar de esta campanha acontecer em um dos momentos mais críticos da economia venezuelana. Os venezuelanos sofrem com uma grave crise econômica, que inclui hiperinflação e desabastecimento crônico no comércio e nos hospitais, que geraram uma crise humanitária.

Nesta eleição, dois candidatos o enfrentarão nas urnas: o chavista dissidente Henri Falcón e o pastor evangélico Bertucci.

Os dois ignoraram o boicote liderado pela coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD), que reúne os principais partidos de oposição ao chavismo.

Aparições com músicas

O séquito que viaja com Maduro para suas apresentações públicas inclui artistas conhecidos, entre eles Wiston Vallenilla, que até antes de tornar pública sua simpatia por Maduro, era reconhecido como um dos apresentadores mais talentosos do país, e agora preside a Tves, uma das emissoras ligadas ao Estado.

O grupo também conta com o ex-jogador de beisebol e cantor de reggaeton, Antonio “El Potro” Álvarez, o artista de merengue, Omar Enrique, e a banda Los Cadillacs. Desde que iniciou seu governo em 2013, todas suas aparições públicas estiveram acompanhadas de grupos musicais e orquestras que interpretam gêneros latinos, e inclusive o próprio presidente lançou ao ar “A hora da salsa”, onde usava a rádio e a televisão pública para falar de música, de sua gestão, e contra seus opositores.

Deixe seu comentário: