Últimas Notícias > Notícias > Brasil > A juíza substituta de Sérgio Moro negou novo interrogatório a Lula

Bolsonaro afirma que em seu governo vai querer conhecer a prova do Enem antes para a sua aprovação

O presidente eleito Jair Bolsonaro durante transmissão ao vivo no Facebook. (Foto: Reprodução)

O presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou na sexta-feira (09) que a partir do ano que vem ele tomará conhecimento do conteúdo do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) antes da aplicação da prova. Bolsonaro deu a declaração em uma transmissão ao vivo no Facebook ao falar sobre uma questão no Enem deste ano que abordou o pajubá, conjunto de expressões associadas aos gays e aos travestis.

“Esta prova do Enem – vão falar que eu estou implicando, pelo amor de Deus –, este tema da linguagem particular daquelas pessoas, o que temos a ver com isso, meu Deus do céu? Quando a gente vai ver a tradução daquelas palavras, um absurdo, um absurdo! Vai obrigar a molecada a se interessar por isso agora para o Enem do ano que vem?”, indagou o presidente eleito.

“Podem ter certeza e ficar tranquilos. Não vai ter questão desta forma ano que vem, porque nós vamos tomar conhecimento da prova antes. Não vai ter isso daí”, disse. Segundo o presidente eleito, ele está “em vias” de anunciar o nome do futuro ministro da Educação. O perfil do novo titular da pasta, acrescentou, será de alguém com “autoridade” e que entenda que o Brasil é um país “conservador”.

“Queremos que na escola a molecada aprenda algo que no futuro lhe dê liberdade, que ele possa ganhar o pão com trabalho, não fique com essas questões menores que a gente vê por aí de ideologia de gênero. Qual a importância disso? Vai ser feliz, cara! Se você quer se feliz com outro homem, vai ser feliz! Se você é mulher e quer ser feliz com outra mulher, vai ser feliz”, afirmou.  “Mas não fiquem perturbando isso nas escolas, obrigando a criançada a estudar besteira que não vai levar a lugar nenhum. Quem ensina sexo é papai e mamãe, pronto e acabou”, completou.

O Enem

O Enem é realizado pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), uma autarquia do MEC (Ministério da Educação), desde 1998. Em 2009, se transformou em um exame para ser usado como acesso ao ensino superior. Mas usa uma metodologia diferente dos vestibulares tradicionais e, por isso, as questões não são todas elaboradas por uma mesma equipe: são retiradas de um banco de itens com milhares de questões já feitas durante vários anos por muitos professores.

Todos os anos, um grupo menor do Inep seleciona as questões para elaborar três versões diferentes da prova. Duas delas são aplicadas todos os anos: a primeira aplicação regular é aplicada em dois domingos seguidos (o passado e o próximo) e teve 5,5 milhões de inscritos. Uma segunda será aplicada em dezembro para presos, e uma terceira fica como “reserva”, para o caso de algum imprevisto.

“Atualmente, por procedimentos previamente definidos para garantir o sigilo do Exame, apenas o Inep e parte da equipe da Gráfica contratada pelo Inep têm acesso à prova em ambientes restritos dentro do Inep e da gráfica. Todo processo de produção da prova conta com consultoria especializada de empresas de gestão de riscos que atestam a conformidade das etapas e indicam procedimentos que devem ser seguidos com vistas à manutenção do sigilo”, informou o Inep, em nota.

Deixe seu comentário: