Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Diretor do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social renuncia após ultimato de Bolsonaro

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, disse que se equivocou ao falar em economia de 13 bilhões de reais com a reforma da Previdência dos militares

Presidente em exercício se corrigiu e disse que o número correto é o divulgado pela área econômica, que é de R$ 92 bilhões em dez anos. (Foto: Agência Brasil)

O presidente em exercício, Hamilton Mourão, voltou atrás na declaração que havia feito na manhã desta terça-feira (19) de que a previsão de economia com a reforma da Previdência dos militares seria de R$ 13 bilhões em dez anos. Mourão disse que se equivocou e que o número correto é o da área econômica do governo – que vem trabalhando com a previsão de R$ 92 bilhões.

“Eu me enganei. O que prevalece é o número da área econômica. Lidei com muita coisa hoje de manhã e me equivoquei”, disse o presidente em exercício em declaração divulgada por sua assessoria de imprensa.

Depois, a jornalistas, Mourão voltou a dizer que se equivocou, mas disse que não sabia o número correto, ressaltando que ele será decidido pelo presidente Jair Bolsonaro. “Eu que entendi errado, o número não é aquele. Peguei um número e citei errado. O presidente que vai decidir”, disse Mourão.

Mais cedo, após reunir-se com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva,Mourão afirmou que a proposta elaborada pelo Ministério da Defesa está pronta e que aguarda apenas o aval de Bolsonaro, que deve receber o texto na quarta-feira (20), após retornar dos Estados Unidos.

“Já está tudo ajustado, ele [Azevedo] vai apresentar para o presidente amanhã, para o presidente fechar esse pacote. Não tem nada faltando definir por parte do ministério da Defesa, só a decisão presidencial agora”, disse Mourão.

De acordo com Mourão, a alíquota de contribuição passará para 14%, sendo 10,5% do salário e 3,5% do plano de saúde. “Vai aumentar para 14% ao longo dos próximos dois anos, 10,5% mais 3,5% do plano de saúde. Em torno de R$ 13 bilhões, [a proposta] vai economizar das Forças Armadas.”

Fernando Azevedo e Silva disse que o texto será entregue a Bolsonaro na parte da manhã, e que pode ser enviado à Câmara dos Deputados ainda na quarta-feira. “Conversamos sobre o projeto de lei que será apresentado ao presidente amanhã, e deverá, possivelmente, ser entregue no Congresso Nacional ainda amanhã. Estamos fazendo os ajustes finais para apresentação ao presidente da República amanhã ainda na parte da manhã”.

Reforma está sendo bem conduzida, diz presidente do STM

Mourão também participou da posse do novo presidente do STM (Superior Tribunal Militar), ministro Marcus Vinícius Oliveira dos Santos. Ao final do evento, o ministro disse que a reforma está sendo “muito bem conduzida” pelo Ministério da Defesa.

“A reforma da Previdência dos militares está sendo conduzida pelo Ministério da Defesa. Acho eu que está sendo muito bem conduzida, e esperamos que saia uma reforma que atenda todas as partes, não só os militares, mas também os interesses do governo.”

Questionado se os militares estão dispostos a colaborar com a reforma, ele diz que eles sempre colaboram quando são requisitados: “Os militares sempre estiveram prontos, sempre colaboraram, sempre que foram chamados a colaborar.”

Deixe seu comentário: