Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Ala ligada a Eduardo Bolsonaro protocola nova lista pela liderança do PSL na Câmara dos Deputados

Elton John critica governo da Rússia por censurar cenas gays do filme que conta história do músico inglês

"Ele é um ótimo artista, mas está enganado", respondeu o líder de Moscou (D). (Foto: Reprodução)

Profundamente decepcionado e incomodado. Assim se definiu o cantor britânico Elton John, 72 anos, ao repercutir as declarações do presidente russo Vladimir Putin, 66 anos, ao jornal “The Financial Times”, de Londres (Inglaterra). O líder de Moscou havia dito que “os valores liberais estão obsoletos e são rejeitados pela maioria dos países ocidentais”.

Considerado um dos reis do pop, o músico também falou em hipocrisia. Isso porque o chefe do Kremlin declarou, recentemente, que deseja a felicidade da população LGBT, ao mesmo tempo em que o seu governo censurou cenas de conteúdo gay de “Rocketman”, cinebiografia de Elton lançada recentemente.

“Eu discordo fortemente da visão, manifestada pelo senhor Putin, de que buscar políticas que abarquem a diversidade sexual e multicultural seja algo obsoleto em nossas sociedades”, afirmou Elton John em um comunicado oficial. Ele assumiu publicamente ser gay em 1988.

Ao ser questionado sobre a manifestação do artista, Putin respondeu durante cúpula do G20 em Osaka, encerrada no sábado: “Tenho muito respeito por ele, que é um músico genial e faz uma música da qual todos gostamos, mas acho que ele está enganado [em relação à abordagem da homossexualidade]”.

O presidente russo também disse que as autoridades de seu país mantêm uma atitude “tranquila e sem preconceitos” em relação à população LGBT, mas que decisões sobre identidade de gênero só podem ser tomadas por adultos: “A legislação russa proíbe a propaganda de homossexualidade entre menores”, finalizou, em relação às cenas cortadas do filme.

Caneca

E por falar na cúpula de Osaka, uma atitude de Vladimir Putin não passou despercebida às lentes e comentários da imprensa internacional que cobria o evento. Ele levou para o jantar oficial do evento a sua própria caneca térmica, dispensando as taças e copos oferecidos aos demais participantes do encontro. O fato suscitou os mais variados rumores.

Imagens de jornais, sites e emissoras de TV mostraram o líder de Moscou usando o objeto para brindar à distância o colega norte-americano, Donald Trump, tendo ao seu lado o anfitrião do evento, o primeiro-ministro nipônico Shinzo Abe. Jornalistas chegaram a levantar a hipótese de que medo de envenenamento. Os humoristas de plantão também não deixaram escapar:

“Se vocês tivessem visto o que eu vi, também teriam trazido a sua própria caneca”, ironizou no Twitter a conta @DarthPutinKGB, mantida por um grupo inglês. Os autores da postagem se referiam aos assassinatos (e tentativas) de ex-agentes e opositores russos com o uso de substâncias letais, supostamente a mando do governo de Moscou.

No entanto, a mesma caneca branca – estampada com o emblema da Federação Russa – já apareceu em imagens anteriores: a situação mais recente ocorreu na semana passada, durante um pronunciamento anual que o chefe do Kremlin realiza na televisão estatal de seu país.

Quem também se manifestou foi o próprio governo da Rússia. “O que acontece é que o presidente Vladimir Puin bebe chá constantemente com essa caneca térmica”, explicou o seu porta-voz, Dmitri Peskov, na tentativa de acabar com a controvérsia.

(Marcello Campos)