Últimas Notícias > Notícias > Brasil > Deputados do grupo de Bolsonaro acionam o Supremo para evitar suspensão do PSL

O procurador-geral da República, Augusto Aras, escala o seu time para a Operação Lava-Jato

O procurador Augusto Aras designou sete membros para compor equipe vinculada à Secretaria da Função Penal Originária no Supremo. (Foto: Roberto Jayme/TSE)

O procurador-geral da República, Augusto Aras, designou sete procuradores para compor o Grupo de Trabalho da Operação Lava-Jato que atua junto ao STF (Supremo Tribunal Federal). Vinculado à Secretaria da Função Penal Originária na Corte, a equipe vai auxiliar Aras na análise das investigações, medidas e processos judiciais no âmbito da força-tarefa.

A Lava-Jato de Aras atua exclusivamente nos casos em que os investigados detêm foro privilegiado no Supremo, como deputados, senadores e ministros. As informações foram divulgadas pela Assessoria da PGR (Procuradoria-Geral da República).

Foram escalados para o grupo de trabalho Alessandro José Fernandes de Oliveira, Hebert Reis Mesquita, Leonardo Sampaio de Almeida, Luana Vargas Macedo, Maria Clara Barros Noleto, Victor Riccely Lins Santos e José Adonis Callou de Araújo Sá – sendo este último o coordenador da equipe.

Os nomes constam na Portaria 1.052, assinada pelo procurador-geral na terça-feira, (08), e publicada nesta quarta-feira (09) no Diário Oficial da União. Araújo Sá, subprocurador-geral da República, terá a atribuição de oficiar perante a 1.ª e a 2.ª Turmas do STF nos feitos da Lava-Jato.

Segundo a Procuradoria, o Grupo de Trabalho é responsável por realizar oitivas e participar de outros atos de produção de prova e audiências judiciais, requisitar informações e documentos de interesse das investigações, e participar de atos instrutórios com o objetivo de celebrar acordos de colaboração premiada.

O Grupo de Trabalho terá atuação exclusiva, indicou a PGR, com exceção de José Adonis e do procurador da República Leonardo Sampaio, que também manterão seus respectivos ofícios.