Últimas Notícias > Notícias > Economia > A maioria dos profissionais brasileiros que trabalham na área digital estão interessados em conseguir emprego no exterior

O Ministério da Saúde investiga ataque em site para as inscrições no Programa Mais Médicos

O Ministério da Saúde disse ter recebido mais de 1 milhão de acessos simultâneos no momento da abertura das inscrições para o novo edital do Mais Médicos. (Foto: Divulgação)

O Ministério da Saúde disse ter recebido mais de 1 milhão de acessos simultâneos no momento da abertura das inscrições para o novo edital do Mais Médicos. Segundo a pasta, o volume é mais que o dobro do número de médicos no País e indica um possível ataque cibernético. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Nas redes sociais, profissionais relataram dificuldades para fazer o cadastro desde as 8h de quarta-feira (21), quando teve início o processo de inscrição on-line.

Apesar da instabilidade, o sistema contabilizou 3.336 inscrições de médicos interessados em ocupar as vagas nas três primeiras horas de abertura do sistema.

A corrida para as inscrições se explica no fato de que, para agilizar o processo, profissionais podem selecionar e confirmar o posto que desejam ocupar já no momento de inscrição. Conforme forem sendo preenchidas, as vagas deixam de ser disponibilizadas no sistema.

A medida representa uma mudança no modelo de seleção do Mais Médicos, que até então previa a possibilidade de que cada médico selecionasse mais de um município de seu interesse, para só depois ter a vaga confirmada.

“Se uma cidade tiver dez vagas, os dez primeiros que acessarem atenderão ao número de unidades, e essa cidade não aparecerá mais para o 11º”, disse o ministro Gilberto Occhi, da Saúde.

“O que estava sendo feito no passado é que se abre uma inscrição e 100 pessoas querem uma vaga só”, completou o ministro, ao lançar o edital no início da semana.

Ao todo, são ofertadas 8.517 vagas, distribuídas em 2.824 municípios e 34 distritos sanitários especiais indígenas. O início das atividades está previsto para 3 de dezembro.

Até a última semana, essas vagas eram ocupadas por médicos cubanos, que deixarão o programa após o anúncio do fim da participação de Cuba no Mais Médicos.

As inscrições, voltadas a brasileiros e estrangeiros com diploma revalidado no Brasil, seguem até 23h59min de domingo (25).

Sobre os problemas de acesso nesta quarta-feira, em nota, o ministério informou que o Departamento de Informática do SUS, em conjunto com a Embratel, está isolando a aplicação dos ataques que se mantiveram ao longo da manhã para tentar garantir a inscrição de interessados.

Também tem testado outras ações para garantir a estabilidade e performance do site. Questionada, a pasta nega que tenha havido invasão e atribui o problema a uma tentativa de derrubar o site pelo alto volume de acessos.

Uma das suspeitas investigadas é que tenha havido uso de robôs para aumentar o acesso e “congestionar” o sistema. “O Ministério da Saúde alerta que eventuais responsabilidades pela inserção de dados falsos no sistema poderão ser apurados na esfera penal”, informa.

Ainda segundo o ministério, a expectativa é que o sistema se normalize.

Em nota, a Associação Médica Brasileira disse que irá solicitar à pasta a prorrogação do prazo de inscrições devido à dificuldade para acessar o site.

Já a Fenam (Federação Nacional dos Médicos) informou por meio de nota que irá solicitar à Polícia Federal uma investigação sobre a possibilidade de “sabotagem” no processo de inscrição no programa.

Caso as vagas não sejam preenchidas ou haja desistências, o ministério informa que pretende abrir um segundo edital no dia 27 deste mês para brasileiros e estrangeiros formados no exterior.

Na último dia 14, o governo de Cuba anunciou o fim da participação do país no Mais Médicos.

A decisão foi atribuída a declarações do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), que tem criticado a qualificação dos médicos do país caribenho e defendido mudanças nas regras do programa, como a revalidação do diploma.

Segundo a Opas (Organização Pan-Americana de Saúde), a previsão é que os cubanos deixem o país até 12 de dezembro.

Deixe seu comentário: